Música ajuda na hora da paquera?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Música na paquera

Não é clichê de comédia romântica, canções de amor deixam mulheres mais abertas à paquera. Pesquisa mostra que, com uma balada de fundo, elas ficam mais propensas a dar o número de telefone.

Você já reparou que o cara com o violão faz um tremendo sucesso com as mulheres? Um grupo de pesquisadores franceses conseguiu comprovar cientificamente que uma música de fundo pode deixar as mulheres mais receptivas à paquera. Os cientistas da Universidades da Bretanha e de Paris testaram o efeito das músicas românticas em 87 mulheres de 18 a 20 anos e descobriram que o som faz diferença.

Um voluntário, avaliado com beleza média por outras mulheres, ajudou no experimento. Os pesquisadores criaram uma situação onde cada mulher esperava em um sala com uma música tocando. Então, ia para outra sala onde foi orientada a discutir a respeito de uma comida com o voluntário do sexo masculino. Depois, era deixada a sós com o homem. Neste momento, ele tinha a “chance” de começar a paquera combinada com os pesquisadores.

“Meu nome é Antoine, como você sabe, eu te achei muito bonita e queria saber se você poderia me passar seu telefone. Eu vou ligar e nós podemos combinar de tomar um drink juntos na próxima semana”, dizia o falso conquistador – tudo em nome da ciência. A música romântica dobrou as chances de Antoine conseguir o número de telefone, 52% das mulheres que estavam ao som da balada de amor passaram seus contatos. Apensas 28% das outras – que escutavam uma música neutra – foram receptivas.

Com isso, os pesquisadores sugerem que as mídias, como TV, música e games, têm uma influência no comportamento das pessoas. Geralmente associadas à geração de violência – como no caso dos videogames e alguns filmes de ação –, desta vez mostram efeito que não era necessariamente negativo.

As razões pelas quais a música tem esse efeito ainda não estão claras para os cientistas.Mas uma coisa é certa, na hora da conquista, uma música romântica sempre cai bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.