O que é o amor?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Amor

Depois de ter escrito o artigo “O amor é algo inexplicável?!” recebi muitos comentários negativos no post de pessoas que não concordavam comigo e acreditavam no amor.

Bom, como eu disse nas redes sociais o artigo não era qualquer artigo, era um dos artigos mais polêmicos, mas também era um teste, e muita gente não entendeu o post, mas ele não era normal, era um teste sobre como as pessoas viam o amor. Primeiro vamos explicar o que era o texto de verdade, e depois os resultados.

Quando disse que não acreditava no amor, era tudo mentira, eu acredito no amor, mas num amor simples e não no amor idealizado, inclusive já escrevi outros textos sobre amor, e também escrevo frases sobre amor, mas vamos às definições de cada um.

Amor idealizado

Era sobre o amor idealizado que falava que não acreditava. O amor idealizado é também conhecido como amor platônico, e muitas pessoas o confundem com o verdadeiro amor. O amor idealizado é aquele que não precisa de nenhum motivo para existir, e também é eterno. É sobre ele que muitas pessoas pensam que os poetas falam, mas na verdade os poetas falam sobre o amor simples. Ele também faz você sofrer, mas é impossível viver sem ele.

Amor simples

Já o amor simples, também conhecido somente por amor (ao menos deveria), é o que tem um significado no dicionário, a afeição por alguém ou por alguma coisa, é um sentimento que provoca uma paz interior, uma calmaria. Diferente do amor idealizado, o amor pode ter um fim, pode ser esquecido quando confrontado com outra coisa, e podemos viver sem ele, mesmo que nosso desejo seja contrário. Para existir ele precisa ter algo anterior que crie fortes laços entre as pessoas, como depois dos nossos pais terem cuidado de nós. Nos relacionamentos amorosos ele também precisa de algo anterior, pode ser uma paixão (explicarei em um post futuro a diferença entre os dois), uma amizade, ou até mesmo surgir após o desejo sexual.

Explicação

Quando fui escrever o texto não tinha a pretensão de fazer um teste, mas quando cheguei no segundo parágrafo escrevi que o amor não existe, parei para pensar e comecei a bolar a ideia de fazer um texto polêmico e deixar as pessoas tiraram suas próprias conclusões, mas como teve muitos comentários resolvi explicar o que tentei fazer.

Em todos os comentários que respondi apresentei argumentos contrários ao que a pessoa dizia, e agora farei isso com o próprio texto. Primeiro o amor idealizado não existe, o amor simples sim.

Ao falar de Deus minha intenção era causar polêmica mesmo, já que boa parte da população é crente, mas nos comentários apenas uma pessoa tocou nesse assunto. A mesma coisa acontece com os pais, foi para causar polêmica.

Na parte do parceiro me baseei em que 2/3 dos casamentos sofrem divórcios depois de alguns anos. Isso acontece porque realmente não existe amor entre os casais, as pessoas tem interesse nas outras, ficam anos com elas, mas não conseguem evoluir o relacionamento para um amor.

Ao criticar a crença de que criamos o amor para acreditar que existe algo para sempre, dou uma breve explicação de que o amor simples não é para sempre. Misturei o amor simples e o idealizado para provocar as pessoas a pensarem.

Quanto a parte do clichê de que o amor só aparece quando menos esperamos, é talvez a parte mais verdadeira do texto. Pois não podemos esperar que o amor apareça, temos que correr atrás dele, se não ele vai acabar indo embora e iremos perder a nossa oportunidade de consegui-lo.

Quando digo para aproveitar o momento que você está com aquele garoto ou garota especial, quero que você esqueça que realmente precisa do amor em todos os relacionamentos, talvez precise dele apenas quando for casar. Falo também que o amor é construído.

Ao dizer que o valor amor é muito vazio, a intenção é mostrar que o amor nunca vive sozinho, ele precisa de outros sentimentos para viver, como o respeito, a parceria, e o humor. Na parte do “eu te amo“, quero afirmar que apenas dizer estas três palavras é muito fácil, é preciso demonstra-las.

E na penúltima parte, quando falo que prefiro acreditar que existe a pessoa certa no momento certo, é uma das coisas que aprendi, e pretendo fazer um texto colocando o que isso significa, para que você possa também ser adepto disso.

Já a última frase foi a parte que mais gostei de escrever, e muitos de vocês nem sonhavam no que isso significava, quando digo: “E se eu acredito no amor, bom, do mesmo jeito que acredito no Papai Noel e no Coelhinho da Páscoa.”, quero dizer que assim como eles, o amor idealizado não existe, mas gostaríamos muito de dizer o contrário.

Resultado

Quase 2.000 pessoas viram o texto, sendo que 160 escutaram pela versão em áudio. E felizmente o resultado foi positivo.

As conclusões que tiro são que muitas pessoas ainda acreditam no amor, mesmo depois de nossa sociedade ter deixado ele um pouco de lado. Alguns também já sentiram o amor.

Outra coisa foi que consegui meu objetivo, já fiz isso em outros textos, que é provocar o leitor e o fazer pensar. Dessa forma tive comentários enormes e muito bem elaborados, percebi que nós ainda continuamos pensando e temos argumentos próprios.

O único ponto negativo foi que algumas pessoas ainda usam o critério de idade e de formação acadêmica para avaliar outras, quando deveriam apenas avaliar os argumentos e as ideias dos outros. Mas isso não faz o teste perder seu brilho.

Queria agradecer a todos que mesmo sem saber, participaram nesse teste, e espero que continuem lendo o blog. E para finalizar gostaria de dizer que apesar de tudo, o amor ainda existe.

Se não concordar comigo dessa vez, deixo um vídeo de um programa da TV Cultura explicando o que é o amor, com direito a análise do psicanalista Flávio Gikovate.

2 Comentários


  1. O AMOR, TUDO SUPORTA.

    Sou engenheiro civil. Fiz esta poesia pra minha esposa, psicóloga de 37 anos, que após vencer um Linfoma (câncer), desenvolveu duas síndromes raras e está sem enxergar, sem falar, sem comer nem beber, sem andar e sem movimentos coordenados. Ela está acordada, ouvindo e entendendo, consciente e orientada, interagindo, respondendo com alguns gestos, mas devido à incapacidade neurológica, está dependente pra tudo.
    Temos dois filhos de 5 e 3 anos, que adotamos com todo amor e carinho. Somos de Recife/PE.
    Segue também um relato que fiz sobre nossa história.

    Divulgue, compartilhe.

    Paz.

    Samuel Luna, esposo de Gecélia Luna.

    http://www.youtube.com/watch?v=5fATH4sZ6eo
    http://www.youtube.com/watch?v=Rfr_-XNwpAs

    Link direto para o album do meu Facebook, onde cada figura contém uma parte de nossa história.

    http://www.facebook.com/media/set/?set=a.388980254497170.84578.100001555955774&type=3

    Responder

  2. O AMOR, TUDO SUPORTA.

    Sou engenheiro civil. Fiz esta poesia pra minha esposa, psicóloga de 37 anos, que após vencer um Linfoma (câncer), desenvolveu duas síndromes raras e está sem enxergar, sem falar, sem comer nem beber, sem andar e sem movimentos coordenados. Ela está acordada, ouvindo e entendendo, consciente e orientada, interagindo, respondendo com alguns gestos, mas devido à incapacidade neurológica, está dependente pra tudo.
    Temos dois filhos de 5 e 3 anos, que adotamos com todo amor e carinho. Somos de Recife/PE.
    Segue também um relato que fiz sobre nossa história.

    Divulgue, compartilhe.

    Paz.

    Samuel Luna, esposo de Gecélia Luna.

    http://www.youtube.com/watch?v=5fATH4sZ6eo
    http://www.youtube.com/watch?v=Rfr_-XNwpAs

    Link direto para o album do meu Facebook, onde cada figura contém uma parte de nossa história.

    http://www.facebook.com/media/set/?set=a.388980254497170.84578.100001555955774&type=3

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *