Mesmo sem saber quem é você, nunca te esquecerei

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Loira desconhecida

Esse post foi gravado em áudio. Se você preferir pode ouvir o áudio ao invés de ler o texto.

Eu e aquele meu desejo de voltar no tempo e consertar meus erros. Queria ser um daqueles heróis com superpoderes, se fosse um desejaria que meu superpoder fosse controlar o tempo, só assim poderia reverter o que aconteceu entre nós.

Ah loirinha linda! Queria voltar no tempo, voltar naquele dia que você sorriu para mim, e que, como sempre, não fiz nada. Você era e sempre foi demais para mim, mas quem disse que não era demais que eu desejava.

Você era, era não, é o tipo certo, na hora certa, para o cara que não é certo. Se você faz meu tipo? Claro, você é a personificação do meu tipo, sabe a garota dos meus sonhos? Pois bem, ela é igualzinha a você.

Uma pena é você agora também ser apenas um sonho, um sonho que ao que parece nunca terei a chance de realizar. Ah loirinha linda, nem seu nome mesmo sei, e não me perdoou por isso, eu poderia ao menos ter ido perguntar seu nome, afinal você olhou para mim naquele dia com aquele belo par de olhos azuis, olhou e sorriu, e eu derreti.

Saiba que naquele dia não consegui pensar em outra coisa além de você, naquele dia e nas semanas seguintes, até que esgotou a validade daquele sorriso, e não te encontrei para que você pudesse renovar.

Meu desejo era-te encontrar novamente, como naquele dia no supermercado. Mas dessa vez gostaria que você estivesse vulnerável, assim quem sabe você não sorrisse para mim novamente, e eu fizesse esse sorriso ter um prazo de validade bem maior.

O problema é que às vezes acho que se tivesse outra oportunidade iria errar novamente, iria perder a oportunidade de te ter novamente. Por isso peço que não me dê outra chance, mas também não apareça mais na minha frente e, por favor, desapareça dos meus pensamentos.

*Esse texto pertence ao Cartas Para Elas, um apêndice do romance Desilusões Apaixonadamente Amorosas, e fala sobre a personagem Lola.

11 Comentários


  1. A vergonha de hoje se torna o arrependimento e o remorso de amanhã."Douglas Farias"

    Responder

  2. Gostei muito do seu texto, Luciano. Simples, rápido, direto e sensacional !!!

    Responder

  3. Cara, bem legal seu texto. Normalmente, os poetas, como eu, na sua fase de aprendizado costumam usar muito a repetição pra encadear pensamentos, coisa que você faz. Fora isso, ficou legal.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.