Índio serve pra que mesmo?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Índios Maracanã

“Era uma vez uma aldeia indígena que existia dentro de um espaço chamado maracanã. Neste local as pessoas viviam felizes e despreocupadas, eles tinham uns aos outros e entendiam que aquele lugar era a casa deles e que eles morariam ali pra sempre, porque o “cara pálida”, que governava a cidade habitada por tais índios os apoiava mutuamente…”

Ai, ai… Lembro-me quando as histórias eram lindas e encantadoras, até que me deparei com uma pancada forte na ideia conhecida como realidade. É isso meu caro, a realidade nos ensina que final feliz foi uma construção feita pelos irmãos Grimm na Europa, mas como estamos falando de um lindo País chamado Brasil seguimos o seguinte lema: cada um na sua e a vida continua.

“Expulsos de um terreno ao lado do estádio do Maracanã, na última sexta-feira, indígenas de diferentes etnias buscam a unidade na esperança de reconquistarem o espaço.” Fonte: Folha de São Paulo

Os moradores oficiais de nossa terra (talvez os únicos) ficaram sem casa, mas isso ocorreu devido a um motivo extremamente importante, um caso de vida ou morte (…) no lugar do antigo Museu do Índio, no Maracanã, onde vivia o grupo, será construído o Museu Olímpico, para 2016.

Sim, é exatamente isso que você acabou de ler, a sociedade nos ensina que o esporte é muito mais importante do que a vida de uma pobre “tribo”. Não interessa o que o índio pensa, “nós” podemos fazer todas as coisas que nos forem “lícitas” em nome do progresso, ou seja, direitos humanos, por favor, nos deem licença.

Eu posso estar enganado, mas parece que isso já aconteceu; Será que foi naquele episódio em que um tal de Cabral “achou” os índios? Os europeus que estavam com eles tomaram as mulheres, que por estarem num país um tanto quanto tropical curtiam menos roupas, e de quebra, tentavam trocar presentinhos com os novos amigos, quando essa gentileza não estava funcionando mais, rolou uma tal de escravidão. Conhece?

Esse seria então o povo brasileiro? Um povo que desvaloriza o que podemos chamar carinhosamente de nossos ancestrais brazucas.

Darcy Ribeiro apresenta uma opinião diferente:

“Para Darcy Ribeiro a grande façanha brasileira foi ter se constituído como povo étnico, nacional e culturalmente unificado”.

Pensar no Brasil seria então compreendê-lo como fruto de três pilares:

“Dos índios herdamos técnicas de sobrevivência nos trópicos, o banho diário, a integração com a natureza, os rituais e o uso frutos. Os portugueses eram centralizadores do sagrado e do econômico, tinham uma imaginação sofisticada e uma rica criação mental, deles herdamos a ideia de povo-nação. Os pilares de desenvolvimento das artes africanas eram as pessoas, a comunidade, a natureza, a criação e a tradição que ia além do real. Deixaram entre outros legados aos brasileiros: vigor e criatividade. O encontro dessas diferenças dá originalidade à gente brasileira”, afirma Darcy Ribeiro.

Mas qual o sentido de se preservar um dos pilares do que podemos entender como Brasil? Eu acho que o esporte é muito mais importante (ai, ai).

Voltemos então a uma prática romana muito funcional, “A política do Pão e Circo”.

O esporte nos distrai né? Assim, não perceberemos possíveis danças da chuva, ou sinais de fumaça.

O governo concluiu que é melhor assim… E nesse caso, “eles” sabem mais do que eu.

8 Comentários


  1. A política romana referida é “pão e circo”, e você está certíssimo, esse é o nosso Brasil

    Responder

  2. O Elbert, A criação de um museu olímpico em um país que para a educação e esporte tem incentivos mínimos é uma piada, Observando que os grandes nomes do esporte nacional não receberam incentivos governamentais para a prática, tendo que investir do próprio bolso. O governo nos privatiza de praticar esporte, porque a lógica é simples, ou você joga trabalha para ter o que comer arroz e feijão ou luta judô para comer a medalha, se é que você me entendeu, devia haver um “bolsa esporte”, claro. Mas! pensemos nisso depois que outros problemas sociais estiverem resolvido, fome… corrupção… desemprego.

    Responder

  3. Quem se importa com indígenas? Quem se importa com hospitais eficientes ou se seu pai vai morrer em uma fila de atendimento? Quem se importa com educação ou se seu filho vai ter uma vida medíocre por falta de um ensino de qualidade? Quem se importa com segurança ou se vc vai morrer por uma bala perdida? O q importa é q teremos estádios de primeiro mundo e super faturados para a copa, para o resto do mundo ver como somos legais e bacanas, q somos um povo descolado e feliz (e bebemos cerveja). Resolver problemas sociais é coisa para fracos. Haaaaa, desculpa vcs estão falando de olimpiadas né? Eu aqui falando de copa…(nem sei oq pensar de olimpiadas ainda, mas não deve ser muito diferente e uma copa do mundo)

    Responder

  4. somos um povo frouxo, que se contenta com migalhas pois fevereiro tem carnavall e tudo vai ser esquecido .OBS sei que o carnaval esta longe mas tem os feriados prolongados , e VIVA O BRASIL TERRA LINDA DE POVO BURROOOOOOOOOOO.

    Responder

  5. Na verdade senhores, índio não ajuda em nada o país, pelo contrario… só quem convive com eles sabe pra que eles servem… chega de histórias de contos de fada e vem ver a realidade pra poder falar a verdade sobre indígenas.

    Responder

  6. Se nao tivesse mais nada pra fazer na vida ia viver para matar indios… Ooo raça inutil… meu sonho é pegar uma cartucheira e ficar atirando de longe, sossegadão, exterminando uma raça que faz hora extra na terra… Abraxxx

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.