Ser gaúcho é difícil!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Gaúcho

Para quem não sabe, eu sou gaúcho e como todos meus companheiros de estância tenho alguns problemas de comunicação e entendimento fora de minha terra. E hoje vocês vão ficar sabendo como é difícil ser gaúcho nesse Brasil.

Eu vou começar por uma das partes mais difíceis, que é pedir o pão francês em padarias fora do estado. Pois aqui o pão é conhecido como “cacetinho”, e por algum motivo só é conhecido assim por aqui. Então você chega a uma padaria Catarinense, aqui do lado e com aquela fome logo chama o padeiro ou qualquer balconista e diz a terrível frase: “moça, me vê um cacetinho ai” ou “moça, tem cacetinho?”. Logo após isso você pode esperar as mais diversas reações do funcionário, desde um sorriso desorientado, até um silêncio torturador que faz você se sentir um completo homossexual (sem preconceitos). Talvez seja até por isso que os gaúchos têm essa má fama no país, na verdade o problema é puramente a comunicação.

Mas se você notar um Carioca vem aqui no sul, fala com aquele sotaque brutalmente diferente e a gauchada acha legal, agora um gaúcho vai ao Rio e fala com seu sotaque e os cariocas no mínimo vão falar “Olha aquele Gaúcho viado”.

Mas enfim, é difícil ser um gaúcho fora aqui da terrinha. Eu por morar na fronteira com SC talvez não tenha tantos problemas por que não tenho o sotaque gaúcho, mas igualmente as gírias gaúchas fazem você passar muita vergonha.

É isso, a comunicação é uma grande rival dos gaúchos. E você, que problemas têm fora da sua terra? Deixe sua resposta nos comentários.

32 Comentários


  1. Pior somos nós do interior do Nordeste, que temos fama de comermos Calango e sermos atrasados em relação ao resto do Brasil.

    Responder

  2. Eu viajei por grande parte do Brasil e caguei para o que os outros pensavam ou deixavam de pensar de mim…..e mais, tu nunca vai estar sozinho, pois gaúcho tu encontras em todo o Brasil.

    Responder

    1. O jeito eh ver o tipo de carioca ou cara de qualuer outro lugar que venha e ver o tipo de conduta dele…se ele for arriadinho, trate o mal. Diga: sumiu minha carteira, carioca chinelao. Ou paulista trombadinha. Enfim…nunca tratei ninguem de fora mal. Mto pelo contrario, sempre tratei na parceria. Ae fui pra sampa, no casamento da minha irma e todo mundo ficava de arriadimha, cheguei a esmurrar a cara de um…enfim, aqui no sul estao as melhores pessoas, gente trabalhadora, gente de bem, a nata do pais, e eles nos tratam na ariacao? Tem q revidar o q esses merdas fazem, quando estao aqui.

      Responder

      1. Tem q ser um gaúcho de bosta se achando o melhor dos melhores. Qto recalque…sabe da fama de vcs né…chupa aí bando de sem educação, quebrados.

        Responder

  3. O sentido do artigo é mostrar que muitas pessoas de outros estados sofrem algum preconceito nos grandes centros.
    E ficou comprovado que tem gaúcho por tudo, se até aqui no ominuto do saber tem, agora não duvido mais de nada.

    Responder

  4. mas tche… tu não merece se chamado de gaucho pra escrever uma barbaridade dessas..
    tenho o maior orgulho de ser gaucho, e da maneira como falamos…
    sem conta q sotaque de carioca é ridículo hauahauhaua
    só gaucho come cacetinho sem ter vergonha e continua sendo 100% macho, até os homossexuais do Rs são mais homens q mts outros….huahuahauahua
    essa fronteira ta te fazendo mau…ou te muda ou te mata ^^
    “é o meu rio grande do sul, céu sol sul, terra e flor, onde td q se planta cresce e oq mais floresce é o amor”
    ^^

    Responder

  5. Em Salvador, pão francês é conhecido como cacetinho tb. Passei por um situação inversa a tua, mas sem o constrangimento. A mulher da padaria só me olhou com cara de “que merda esse garoto tá pedindo?” ai eu tive que apontar o que queria uahuha, hoje em dia só falo pão e já eras rs.

    Responder

  6. é mt pior ser de outro estado e morar no RS.
    o preconceito aqui é foda.
    não faz draminha.

    Responder

  7. Num isquênta não sô nois tamêm sofremos este tipo de preconceito: Todos dizem que temos os maiores olhos do mundo, só por que cai um trêm no zòi de vezes em quando. Uai sô já ia me esquecendo, quando pedimos um trêm para comer… O importante é sermos Brasileiros…

    Responder

  8. Tenho orgulho de ser gaúcho e acima disso sou patrióta, totalmente contra qualquuer preconceito e contra pessoas regionalistas, porém, não pretendo subir lá pra cima.

    Responder

  9. Acho que o artigo foi mau interpretado, tenho orgulho de ser gaúcho, só estava tentando relatar a dificuldade de comunicação fora do meu estado, mas tenho mt orgulho de ser gaúcho.

    Responder

  10. saí do RS e moro há 14 anos em SC, e te garanto que o cacetinho é só umas das vergonhas que tu passa no mercado! ahhahaha

    Responder

  11. Sou carioca e acho que não existe sotaque correto, melhor ou oficial.
    Qualquer idioma tem suas variantes e no Brasil, que é gigante, não seria diferente. E isso é ótimo, é parte da riqueza da língua portuguesa e de nossa cultura.

    Responder

  12. Sério, até hoje eu me pergunto, por que que falam que gauchos são gays? todos meus amigos são machos, e outra, eu jogo online, e os cara que me aparecem são tudo uns putinhos, e olha que a maioria são de SP hein… então deixem de ser retardados, agente não avacalha em vocês e vocês nem na gente, ok

    Responder

  13. O gaúcho é o que fala portueguês mais corretamente no Brasil. Eles é que têm que se acostumar ou aprender a falar certo.

    Responder

  14. Procurem pesquisar/conhecer as diferentes maneiras de expressões dos brasileiros (nós).
    Combinemos: Somos marivilhosos.
    Só um exemplo: aquí em Salvador, quando queremos acentuar uma hora, dizemos – uma hora de relógio.
    A propósito, nos também chamamos o pãozinho de cacetinho. Tá sumindo essa maravilha de sotaque, por conta desta porra de globalização. Televisão que só é produzida em SP e RJ. Viva o regionalismo.

    Responder

  15. Mas só o gaucho tem a vantagem de usar o chapelão e queimar a rosca na sombra né tche ?

    Responder

  16. Mas tudo se resolve quando olhamos nossas mulheres!!! SAo lindas!!! As mais lindas do pais, sem a menor duvida!!!

    Responder

  17. a pior coisa é ter que ouvir um carioca falando “vish mano” e coisas do tipo, e aqui no sul nós damos risadas disso e eles se acham o tal
    uhsuehsueehs
    coitados :s

    Responder

  18. Meus caros Brasileiros, a questão não é apenas o sotaque ou as expressões. É a cultura. Em primeiro lugar sou gaúcho o que quer dizer simplesmente sou um brasileiro nascido no sul, apenas isso. A colonização portuguesa tem ha ver com estas expressões. A cultura açoriana propriamente dita e neste caso o linguajar e SC é o mais correto. Nem em Portugal, nos Açores, se fala tão correto o dialeto de nossas origens. Tanto em Salvador como no sul esta expressão “cacetinho” para denominar o pão Frances d'agua esta correta. Pois assim se chamava em Portugal e principalmente nos Açores ha mais de 500 anos passados.

    Responder

  19. Eu sou de Minas e tem duas palavras que eu já passei vergonha, dentro de Minas mesmo e no RJ.

    Uma delas foi buchinha, que aqui em JF é negócio ide prender cabelo, ai quando eu perguntei pra uma mulher 'Vc tem buchinha?' numa academia, pq eu tinha esquecido a minha em casa ela me olhou como se tivesse crescido mais duas cabeças em mim. Depois de muito custo ela conseguiu enteder e ainda disse 'Vc quis dizer elástico neh?' kkkk (a merda foi a parte do 'vc quis dizer' pq eu ñ quis dizer, eu queria a buchinha mesmo, só q pra ela tinha outro nome… mas vá lá, é só um jeito de falar).

    A outra foi piranha… é eu sei, mas aqui piranha é um outro negócio de prender cabelo, aquele que tem tipo umas garrinhas sabe, eu não lembro como a mulher chamou a piranha lá, mas era um nome bem diferente.

    Responder

  20. já passei por isso, estaca eu catarinense, minha esposa e uma amiga gaúcha de viagem por aí, resolvi parar para ir no caixa eletron, aí a gaúcha me dá 10 reais e pede meia dúzia de cacetinhos, peguei o dinheiro e fiquei pensando que diabos é isso, já tinha visto falar mas deu um branco, até ela falar, aí foi uma gargalhada só né.

    Responder

  21. Eu fui gaúcho, já moro em Florianópolis à mais de 40 anos, e em recente viagem ao RS ao passar a fronteira míseros 11km tem uma placa na beira da estrada com um veado saltando em um fundo amarelo, placa internacional de animais selvagens, mas, aqui em SC na cidade de Laguna NÃO DEIXARAM COLOCAR. Sinceramente eu achei ridículo, com tantos outros animais (como o graxaim por exemplo) por que colocar uma bosta dum viadinho saltitando. Affff por isso eu FUI gaúcho, faz tempo que não sou mais.

    Responder

  22. Sou de Belém e a empresa em que trabalho me enviou para passar um tempo no Rio Grande do Sul com a finalidade de fazer um serviço. Nunca tinha ido lá. Nem tinha ouvido dizer nada sobre gaúchos (de que eram isso ou aquilo). Em termos gerais, achei os gaúchos imediatistas quando precisam de alguma coisa de outra pessoa. Mas não ligam quando outra pessoa precisa de algo deles. Outra coisa que me chamou a atenção foi a arrogância (o que na minha opinião soa como insegurança principalmente por parte dos homens de quererem ficar provando que são isso ou aquilo: na minha opinião, quem é é, e quem é não precisa ficar provando nada pra ninguém); também o egocentrismo (cada um se acha o melhor de todos: muito hilário isso) kkk todo mundo sabe mais que um juiz quando se trata de lei, ou mais que um ´médico quando se trata de saúde etc. O nível educacional, em vários aspectos, é muito precário. As pessoas em geral tem uma visão bastante equivocada e distorcida da realidade (meio tapadas). Mas o que me impressionou mesmo foi a falsidade das pessoas. Gaúcho é uma pessoa sorridente. Conversa contigo, faz “amizade”: cuidado!!! Não me admira se ele falar mal de você pelas costas e a tal da “sinceridade gaúcha” de que ouvi muito falar na minha opinião é pura balela. Gente falsa, prepotente e arrogante. Por último que percebi foi certa personalidade meio banditista. A visão que tive é que em geral os gaúchos são um protótipo de bandido… entre outras coisas. Achei as mulheres muito carentes e extremamente fáceis. Parece que nunca receberam carinho de um homem na vida! Enfim… Fiz o trabalho que tinha de fazer lá e fui enviado para São Paulo. Parece-me que vou voltar lá ano que vem de novo. Uma dica que dou aos amigos que vão ao Rio Grande do Sul por algum motivo. 1) fale pouco; 2) não vá com intenção de fazer amigos; 3) esteja atento aos olhares femininos (sobretudo se você tiver uma certa pinta e as gauchas perceberem que você é de fora); e nunca, nunca discuta com um gaúcho, pois mesmo que ele esteja errado, ele sempre vai achar que está certo. Fazendo isso, você não se iguala a essa gente fútil, perversa, mesquinha e ambiciosa.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.