Como ajudar o planeta sem proibir totalmente as sacolas plásticas

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Sacola oxibiodegradável

Recentemente a sacola plástica foi proibida na cidade de São Paulo, tudo para ajudar o planeta. Mas isso resultou em uma dúvida, o que fazer para colocar o lixo, que antes colocávamos nas sacolas do supermercado.

É verdade que os moradores de São Paulo, e de outras cidades que também proíbem as sacolas, terão que achar uma alternativa. É certo também que o projeto deverá se estender para outras cidades do Brasil.

Mas antes de proibir qualquer coisa é preciso se estudar muito diversas possibilidades, e espero que o Governo de São Paulo tenha feito isso. E uma alternativa que deveria ser analisada seriam as sacolas oxibiodegradáveis, elas demoram menos tempo para se decompor, cerca de 18 meses.

Ela é uma boa alternativa, que é composta por polímeros convencionais, aos quais se acrescenta um aditivo de amido de milho com a propriedade de enfraquecer as ligações químicas entre as moléculas e se decompor com mais rapidez.

O produto parece ser bom, mas já foi muito criticado, por exemplo, José Serra, o ex-governador de São Paulo, vetou um projeto de lei que tornava o uso desse produto obrigatório a fim de substituir as sacolas plásticas.

O cientista Joseph Greenee, especialista norte-americano, conduziu um estudo que impediu a Califórnia de adotar o plástico oxibiodegradável como alternativa viável para o fim das sacolas plásticas. Pois a pesquisa mostrou que os resíduos não se desintegram, apenas se tornam invisíveis aos olhos.

Esses dois argumentos poderiam ser suficientes para qualquer pessoa desistir de usar as sacolas oxibiodegradáveis. Mas a verdade é que não, pois segundo algumas pessoas, o veto de Serra foi exclusivamente político, e que o estudo da Califórnia usou métodos de compostagem para testar um material que nunca foi rotulado como compostável.

Sem contar que centenas de estudos independentes, feitos inclusive no Brasil, provam que plásticos oxibiodegradáveis degradam, biodegradam e são ambientalmente seguros.

Tudo isso caracteriza que essa alternativa não deve ser descartada, e como disse, é preciso estudar muito, antes de dizer que alguma coisa não funciona corretamente, principalmente porque poderemos estar perdendo uma ótima alternativa.

Com informações do eco4planet.

8 Comentários


  1. Também já vi essas sacolas na minha cidade, e também me perguntei porque ninguém pensou em usar elas. Mas é como você falou, é preciso estudar para ver se elas são realmente ruins.

    Responder

  2. Luciano, na verdade, a oxibiodegradável, como o próprio post diz, não degrada completamente. Ela é composta pelos mesmos polímeros das outras sacolas, apenas com o aditivo. O que acontece? O aditivo degrada, o polímero continua existindo e demora quase um século para decompor. A oxibio é uma alternativa, mas engana mais que soluciona. Uma coisa é o material degradar completamente, outra é ele se dividir em partículas menores e não degradáveis.

    Na verdade, a alternativa seria reduzir os envelopes plásticos. O problema é que nos acostumamos a usá-los. Mas até pouco tempo atrás usávamos carrinhos de feira e aquelas sacolas estranhas para fazer compras em feiras livres e outros locais. Como disse, tudo é uma questão de hábito.

    Se pensar pelo lado econômico da questão: O estado gasta horrores com aterros sanitários e 10% do lixo são plásticos de embalagens e sacolas. Aterro precisa de espaço e tem tempo de vida útil. Quando fica cheio, abrem um novo e a vida continua. E aterro custa dinheiro, muito dinheiro. Não é a toa que alguns países exportam o lixo (com outro nome, ok), é mais barato.

    Responder

    1. Daniel e o que esta dentro das sacolas. tudo que esta nos supermercados para vender é industrializado degrada o meio ambiente,vamos acabar com a industria vc tem muitas coisas que degrada o meio ambiente para ser produzidas não tem, é meu amigo somente resolveremos esse problema com educação

      Responder

  3. Por que não usar sacolas feitas de plástico parecido ou igual aos de sacos de lixos que não são prejudiciais ao meio-ambiente .E como alternativa por que não usar sacolas feitas de papelão com alças de corda ou material parecido seria uma alternativa barata e viável .

    Responder

  4. Na verdade, as sacolas de papel ou papelão, prejudicariam mais do que as sacolas, pois gastam em media 25% a mais de energia para serem produzidas, sem falar que nao poderiam ser de material reciclado, sendo assim uma grande quantidade de celulose virgem seria utilizada.
    Agora as sacolas, também na verdade não são proibidas, nem em São Paulo, nem em qualquer outro lugar existe uma lei vigente que proíbe o uso, na verdade a tal proibição foi um acordo de cavalheiros entre as grandes redes de supermercados para diminuírem custos operacionais.
    Como é tanto verdade por que não proibiram as embalagens que acoplam carnes e frutas?
    Simples, estas mesmas são pesadas junto com a mercadoria então isso não sai do bolso deles.
    Agora com isso vai ter um aumento considerável no consumo de sacos de lixo propriamente dito, que também serão depositados nos aterros sanitários, ou seja de nada adianta e o problema continua o mesmo.
    Agora a solução seria a educação ambiental, conscientizar as pessoas do problema.

    Responder

  5. Eu penso que seria mais inteligente proibir garrafas pet, e substituir por garrafas retornáveis.

    Responder

  6. Na minha opinião ,isso é jogada para econimizar dinehiro pros supermercados,.
    Eu fui comprar na rede Atacadão e tudo que vende no supermercado vem em embalagem plástica, inclusive as frutas e legumes para poder pesar, na hora de passar no caixa, eles não disponibilizam mais as sacolas plasticas normais e sim vendem sacolas por R$ 0,18 centavos cada uma das biodegradávei.

    Na minha concepção se uma empresa é ecológicamente correta ,não precisaria repassar o custo da embalagem para o consumidor final .

    Finalizando, eu nã pago essas sacolas , jogo tudo na mala do carro e chegando em casa to cheio de embalagens plasticas do mesmo jeito!

    Junior : Macaé R.J.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.