Infidelidade está no DNA, diz estudo

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Traição

Quem acha que o homem já nasceu predisposto a trair, independente de qualquer coisa, pode estar correto. Segundo pesquisadores da Universidade de Binghamton, EUA, promiscuidade sexual e infidelidade estão ligados a variações genéticas. Ou seja, a razão pela qual algumas pessoas têm relações sexuais descomprometidas e traem enquanto outras permanecem monogâmicas pode ser explicada pela biologia.

A variação ocorre no gene DRD4, ligado ao comportamento de busca por sensações, como consumo de álcool e drogas e participação em jogos de azar. Essa variação influência quão prontamente o corpo aceita a dopamina, causadora da sensação de prazer.

Assim, a motivação para relações sexuais descomprometidas decorre de um sistema de prazer e recompensa – a recompensa sendo a dopamina.

Para determinar como as variações no gene influenciam o comportamento, foi levado em consideração o histórico detalhado do comportamento sexual e de relacionamentos de 181 estudantes voluntários da universidade, além de amostras de seu DNA.

As análises mostraram que estudantes com a variação estavam duas vezes mais propensos a ter comportamento promíscuo, e 50% deles havia sido infiel em um relacionamento, contra apenas 22% dos que não possuíam a variação no gene. Agora, se você for pego no flagra, pode dizer que a culpa é do seu DNA!

Será que cola? Comente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.