Entrevista com Miguel Targa o descobridor do bug no YouTube

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

O bug no YouTube, ou seja, um erro no código do YouTube, foi descoberto por Miguel Targa e permite que qualquer pessoa possa alterar o título dos vídeos.

A gente que não é bobo nem nada resolveu ouvir o lado do homem que descobriu o bug, e trás pra você com exclusividade a entrevista.

Miguel Targa nasceu em 1 de Outubro de 1989, é brasileiro, atualmente mora nos Estados Unidos, ele trabalha como programador, mas vamos a entrevista.

Só pra alertar o que está em negrito foi Miguel Targa quem escreveu, e sem negrito fui eu.

1 – Como você descobriu o problema?

O Google havia deletado uma conta minha por culpa de um bug no Orkut, eu fui criar uma nova conta no YouTube e sempre que uso um sistema sou muito curioso, como já havia passado por alguns bugs do tipo em outros sistema, fui tentar… e deu no que deu.

2- O que o Saad fez?

Logo que descobri a falha ele foi o cara que estava lá, pegando lista de famosos e dando ideias =)

3 – Qual era sua intenção ao alterar os títulos dos vídeos?

Colocar nosso nome lá 🙂

4 – Qual é o problema que tem o YouTube?

Disponibilizei o código que usei no meu Twitter, ai vai ela: http://pastebin.com/G0SzRYFi. Se você não entende de programação não vai entender muita coisa, mas vale pela curiosidade.

5- Alguém do Google ou de uma grande empresa já entrou em contato com você?

Até o momento não, tive inúmeras mensagens no meu YouTube, Facebook, Orkut e principalmente Twitter, nem consegui ler todas ainda.

6- Várias pessoas dizem que você é hacker mas você disse que não é, defenda-se.

Hacker é um termo tão banalizado que qualquer brasileiro entra em uma comunidade do Orkut e se diz hacker, eu sou apenas um programador curioso. 🙂

7 – Espaço livre. Você pode fazer considerações finais, promover algo, qualquer coisa, fica a seu critério.

Vou mandar um abraço pra galera da comunidade de segurança na internet Orkut Exploits! Especialmente pro Saad e pro FefeCurty.

Agradeço ao Miguel pela disponibilidade de responder as perguntas, e se você quiser reproduzir essa entrevista fique a vontade só não esqueça de dizer que foi a gente que fez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.