Citando Simone de Beauvoir

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Simone de Beauvoir

Simone Lucie-Ernestine-Marie Bertrand de Beauvoir, mais conhecida como Simone de Beauvoir (Paris, 9 de janeiro de 1908 — Paris, 14 de abril de 1986), foi uma escritora, filosofa existencialista e feminista francesa. Escreveu romances, monografias sobre filosofia, política, sociedade, ensaios, biografias e uma autobiografia.

“À minha volta, reprovava-se a mentira, mas fugia-se cuidadosamente da verdade.”

“A morte parece menos terrível quando se está cansado.”

“É pelo trabalho que a mulher vem diminuindo a distância que a separava do homem, somente o trabalho poderá garantir-lhe uma independência concreta.”

“O homem é livre; mas ele encontra a lei na sua própria liberdade.”

“Eu passava muito bem sem Deus e, se utilizava o seu nome, era para designar um vazio que tinha, a meus olhos, o clarão da plenitude.”

“Por vezes a palavra representa um modo mais acertado de se calar do que o silêncio.”

“Se vivermos durante muito tempo, descobrimos que todas as vitórias, um dia, se transformam em derrotas.”

“Era-me mais fácil imaginar um mundo sem criador do que um criador carregado com todas as contradições do mundo.”

“Renunciar ao amor parecia-me tão insensato como desinteressarmo-nos da saúde porque acreditamos na eternidade.”

“O que é um adulto? Uma criança inchada pela idade.”

“Tesouro, presa, jogo e risco, musa, guia, juiz, mediadora, espelho, a mulher é o Outro em que o sujeito se supera sem ser limitado, que a ele se opõe sem o negar. Ela é o Outro que se deixa anexar sem deixar de ser o Outro. E, desse modo, ela é tão necessária à alegria do homem e a seu triunfo, que se pode dizer que, se ela não existisse, os homens a teriam inventado.”

“Em todas as lágrimas há uma esperança.”

“Qualquer trabalho seria terrivelmente aborrecido se não jogássemos o jogo apaixonadamente.”

“Não são as pessoas que são responsáveis pelo falhanço do casamento, é a própria instituição que é pervertida desde a origem.”

“Parecia-me que a Terra não seria habitável se não houvesse alguém que eu pudesse admirar.”

“Não há uma pegada do meu caminho que não passe pelo caminho do outro.”

“Todo homem que teve amores verdadeiros, revoltas verdadeiras, desejos verdadeiros, e vontades verdadeiras, sabe muito bem que não tem necessidade de nenhuma garantia extrema para ter certeza dos seus objetivos; a certeza provém das próprias forças propulsoras.”

“O seu amor, a sua ternura, eram apenas um sonho. Mas valeria a pena aceitar sonhar um amor que queremos viver na realidade?”

“Os termos masculino e feminino são usados simetricamente apenas como uma questão de formalidade. Na realidade, a relação dos dois sexos não é bem como a de dois polos elétricos, pois o homem representa tanto o positivo e o neutro, como é indicado pelo uso comum de homem para designar seres humanos em geral; enquanto que a mulher representa somente o negativo, definido por critérios de limitação, sem reciprocidade. Está subentendido que o fato de ser um homem não é uma peculiaridade. Um homem está em seu direito sendo um homem, é a mulher que está errada.”

“Não se nasce mulher: torna-se.”

“Ainda estava em tempo: poderia, ainda, encostar a sua face na dele, dizer-lhe, em voz alta, as palavras que lhe afloravam aos lábios.”

“É preciso erguer o povo à altura da cultura e não rebaixar a cultura ao nível do povo.”

“Diante de um obstáculo que é impossível de superar, obstinação é estupidez.”

“Apesar de tudo, o amor era menos simples do que ele julgava. Era mais forte do que o tempo. O amor, no fim das contas, era feito de inquietações, de renúncias, de pequenas tristezas que surgiam a todo instante.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.