Bater em crianças pode torná-las pessoas agressivas no futuro

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Crianças agressivas

Se você acha que bater em crianças pode resolver os problemas delas, está muito enganado. Já falei disso há bastante tempo, mas agora um estudo comprova tudo o que falei.

De acordo com o jornal Daily Mail, uma revisão em mais de 20 anos de pesquisas sobre o tema mostrou que bater ou gritar com as crianças, são fatores que podem torná-las adultos agressivos.

“Praticamente sem exceção, esses estudos mostraram que a punição física foi associada a maiores níveis de agressão contra os pais, irmãos, colegas e cônjuges”, disseram os cientistas Joan Durrant, da Universidade de Manitoba, e Ron Ensom, do Hospital infantil de Ontário Oriental, ambos no Canadá.

Os estudiosos destacaram um estudo feito com 500 famílias, que afirma que crianças se mostraram menos propensas a desafiar os adultos quando os pais eram treinados para parar de castigá-las fisicamente. Outro detalhe é que só o fato de levantar a mão para uma criança aumenta as chances dela desenvolver problemas de saúde mental, como depressão.

Os autores dizem que para solucionar o problema, os médicos devem ajudar os pais com novas formas não violentas e mais eficazes de educar as crianças. Uma das técnicas é estabelecer regras e explicar porque devem ser aplicadas.

Não é deixar a criança fazer o que quiser, e sim castigar sem bater. Se o seu filho fizer algo errado primeiro fale com ele em um tom normal e na mesma altura que ele (fique de joelhos), explique porque ele não pode fazer aquilo com uma voz firme. Se ele continuar a fazer, deixe-o sem fazer algo que gosta, como jogar videogame, mas lembre-se de explicar a ele, porque ele está sendo castigado.

Fonte: Terra Mulher

19 Comentários


  1. Apanhei que nem homem quando criança e até hoje, com 30 anos e casada, ainda sofro com violencia verbal do meu pai… e juro por Deus que ele não entende por que sou uma mulher grossa, irritada e que está sempre respondendo os pais com agressividade!!!

    Responder

  2. Besteira grossa, as crianças devem sim sofrer repreensões quando agirem de forma errada para aprenderem que existem limites, limites que não devem ser ultrapassados. Quando criança levei chinelada na bunda, assim como todos da minha geração e vejam só, o numero de pessoas violentas era muito menor. Essas pessoas que “ACHAM” que sabem educar um filho apenas pela palavra é que estão criando pessoas violentas, justamente pelo fato delas não aprenderem que os limites existem. Então não venham me dizer como educar meus filhos, pois se estes cometerem um deslize que mereça uma chinelada na bunda pode apostar que eles levarão

    Responder

    1. Morpheus,
      Você falou uma coisa importante, precisam existir limites, seus pais batiam em você e não adiantava nada, o que realmente adiantava era que eles punham limites. E você educa seu filho do jeito que quiser, mesmo que seja do errado.

      Responder

    2. Concordo Morpheus,
      Apanhei bastante quando era criança e ate hoje apanho (com 21 anos kkkkkkkk), nunca levantei um dedo pra minha mãe. Aprendi a respeitar os mais velhos, sou educado com todos, ate com gente que não merece educação. E tenho amigos que nunca levaram umas palmadas e hoje sao considerados mal-educados. Nao os culpo. Acho que a culpa é da criação.

      Responder

    3. Concordo em dar uma chinelada de forma educacional para impor limites (e nao agressão abusivas e gratuitas) q nem sempre só o falar resolve, e é burrice e ingenuidade defender q so falar resolve. Conheço pessoas q nunca levaram ao menos um puxão de orelha e hj acham q pode tudo

      Responder

  3. Sinceramente isso de que a criança ficará violenta se oa pais baterem nelas é uma idiotice só. Eu apanhei muito de minha mãe e nem por isso me tornei um marginal. Respeito e sou respeitado onde entro (se duvidam podem perguntar a qualquer amigo meu). Fui educado a respeitar os mais velhos. Os pais hoje é q não cuidam de seus filhos e não sabem impor limites. O E.C.A em quase nada ajuda os pais, pois cria regras e leis que deixam os pais com mão e pés amarrados diante de seus filhos. Hoje um filho pode bater nos pais e um pai não pode levantar a mão pra um filho?? Que lei é essa? Que ensinamento é esse? A moça disse que por causa dos pais é uma pessoa grossa. Nada a ver. Meu pai batia em minha mãe, minha mãe batia em mim e nem por isso sou grosso. Parem de culpar os pais pelos erros dos filhos. Cada um segue o caminho q quer. Eu decidir ser educado e amigo e não um IDIOTA GROSSO que coloca a culpa nos meus pais.

    Responder

  4. Apanhei dos meus pais minha infância toda e nunca fui violento. Nunca nem briguei na escola!

    Responder

  5. BALELA
    PURA LOROTA
    essa historinha de boi durmir que criança quando apanha vira adulto agressivo NÃO COLA COMIGO
    eu apanhei de cabo de vassoura, chinelo, cinto um monte de coisa
    e não estou ai matando e roubando nem sendo agressivo com ninguém
    do jeito que as coisas andam hj vc não faz nada contra esses monte de crianças mal-educadas elas num piscar de olhos tão montando em cima de vc te ordenado o que deve ou não fazer podem apostar
    um bom ditado que já ouvi
    MÃE que não faz o filho chorar, CHORA POR ELE
    e quantas não tão chorando por ae agora

    Responder

  6. Bobagem esta reportagem. Quando criança apanhei muito. Devo ser o redordista de choro. Não cresci com raviva de minha mãe, não sou agressivo e sou uma pai extremamente carinhoso.

    Responder

  7. Melhor uma chinelada na bunda agora quando criança, do que a mãe ter que ir visitar o filho todos os sábados em um penitenciária… coisa que vem acontecendo muito ultimamente.

    Sempre levei chinelada, cintada, entre outras coisas que estavam na frente, hoje sou casado, me dou super bem com meus pais, inclusive até melhor, e irei aplicar o mesmo método com meus futuros filhos, não é porque aprovam uma Lei boba, idiota e hipócrita que não darei educação aos meus filhos, Bater com amor repreendendo a ação errada que se filho fez é uma coisa, espancar sem motivo, por estar bêbado ou qualquer outro tipo de coisa que não tenha razão para tal surra é totalmente diferente…

    Não confundam violência infantil com repreensão

    Lembrem as crianças são como uma folha em Branco sem nada escrito nela.

    Se você disser que roubo é legal, ela vai aprender que roubo é legal.

    porém se você ensina que roubo não é legal, e comete o erro, a única forma de apagar com uma borracha é bater e também a conversa (não descarto a conversa), pois é na dor que ela vai sentir que é errado, terá medo de cometer novamente.

    Responder

    1. Rodrigo,
      Mesmo não concordando com você, você falou muito bem, menos no último parágrafo. Pelo que você diz devemos criar uma sociedade medrosa, que não deixa de fazer certas coisas porque é errado, e sim pelo medo das consequências.

      Responder

  8. Posso ter me expressado errado, não no fato do medo em si, mais ela irá pensar 2 vezes ou até mais antes de cometer o mesmo erro.

    Todos erramos inclusive agora que adultos, e nós sabemos que aquilo que fizemos ocasionou algo ruim para alguém, por isso haverá uma consequência. ela poderá ser branda ou severa dependendo do ato cometido.

    Os castigos, punições ou até mesmo a surra em si, deve ser colocada em algum grau.

    Por exemplo
    A criança derruba um copo e acaba quebrando, não há motivo ou razão para uma repreensão como a “surra”.

    Agora se a criança está suponhamos que jogando bola em um lugar impróprio para tal ato, já avisada diversas vezes que aquele local era impróprio para jogar bola, e continuou jogando no local e involuntariamente a bola bate na janela do vizinho que acaba quebrando tudo e jogando “cacos” de vidro por todo o local. Não vejo outra razão para o filho não apanhar do seus pais. Lembrando que o a criança fora avisado diversas vezes através da “conversa”. (este é um exemplo que aconteceu comigo quando criança) Aprendi a não fazer mais aquilo, pois o local era realmente impróprio. Fica a dica.

    Responder

    1. concordo plenamente com vc, e minha mãe esta certissima tbm ao dizer, que depois que surgiram esses psicologos ”ditando regras” querendo ensinar como cuidar de filhos, as coisas ficaram muito pior. Cada um, pode educar do seu jeito,e com certeza umas palmadinhas na hora certa não mata ninguem, so vejo mal exemplos de quem so conversou com filhos, e hj o filho não respeita, enquanto os que foram castigados ate mesmo com palmadas são outras pessoas.Não é pra espancar nem bater sem motivo, mas com motivo…a prova tai tantas crianças mal educadas,violentas,brigas em escolas, etc, pergunte a elas se elas apanham em casa, q nada. A mesma coisa penso do trabalho infantil,claro, não crianças de 5,6,7,8 anos. Mas pq naum uma criança de 12,13 anos fazer algo sem deixar o estudo de lado,claro o que menos entendo ainda é que é proibido emprego infantil, e esses atores mirins fazem o que entao, deveria ser proibido tbm.

      Responder

  9. Há outra coisa, mesmo adulto.

    Eu tenho medo de assaltar alguém e ser preso.
    Tenho medo de pegar meu carro e andar em alta velocidade, sem respeitar leis ou pedestres que atravessam a rua, mesmo sabendo que a lei de trânsito é irrelevante para tal ato.
    Tenho medo de sonegar imposto sabendo que um dia posso cair na “malha fina” e passar um bom tempo na cadeia.

    é este tipo de medo que sinto.

    Agora não tenho medo de educar meu filho do método antigo que irá levar algumas palmadas se fizer algo errado. Pois estarei criando um cidadão para o futuro e não um marginal.

    Responder

  10. “Não evite disciplinar a criança; se você a castigar com a vara, ela não morrerá. Castigue-a, você mesmo, com a vara, e assim a livrará da sepultura” (Provérbios 23.13-14).

    “A insensatez está ligada ao coração da criança, mas a vara da disciplina a livrará dela” (Provérbios 22.15).

    “A sabedoria está nos lábios dos que têm discernimento, mas a vara é para as costas daquele que não tem juízo” (Provérbios 10.13).

    “O Senhor disciplina a quem ama, assim como o pai faz ao filho de quem deseja o bem” (Provérbios 3.12).

    “O mandamento é lâmpada, a instrução é luz, e as advertências da disciplina são o caminho que conduz à vida” (Provérbios 6.23).

    “Todo o que ama a disciplina ama o conhecimento, mas aquele que odeia a repreensão é tolo” (Provérbios 12.1).

    e pra finalizar, porém a mais sábia de todas

    “Quem se nega a castigar seu filho não o ama; quem o ama não hesita em discipliná-lo” (Provérbios 13.24).

    Responder

  11. Engraçado gente que vem justificar na bíblia o fato de poder ou querer bater em seus filhos.
    Meus pais são crentes e já eram qndo eu nasci. Apanhei por qualquer motivo, coma desculpa de que estavam seguindo um mandamento bíblico, o de educar o filho NA VARA!!
    Cresci revoltada, cada vez mais pegando raiva dos crentes, por acharem que seus filhos são apenas seus sacos de pancadas (eu via meus coleguinhas de igreja receberem as mesmas surras que eu recebia).
    Saí da igreja qndo adolescente, enfrentei a furia dos meus pais e hje, já adulta, com 26 anos, enfrento o desprezo deles por ainda optar por não ser crente.
    Nunca fui violenta com meus semelhantes. Mas qndo estou muito nervosa eu grito, xingo de todos os palavrões que quiser e se quiser, faço uma quebradeira!
    Mas nunca encostei um dedo em ninguém, tenho o coração bem mole, choro a toa e não sei dizer “não”.
    Nunca usei drogas, mas comecei a beber desde cedo (adolescente) pra esconder e esquecer minha tristeza por ter pais que não me aceitavam por decidir não ser crente mais.
    Hoje ja não bebo tanto, sou casada e não tenho filhos. Morro de medo de engravidar e ter alguma depressão pós parto ou qualquer síndrome que possa prejudicar meu filho. Tambem não sei que tipo de esducação eu daria á uma criança, pois eu nao tive infância, a igreja dos meus pais era mt rígida e eu nao podia brincar de qse nda pq tudo era pecado!
    Já houve epocas em que corri atras dos meus pais como louca, implorando por atenção e carinho, e só recebi desprezo.
    Hoje não corro tanto atras deles mais, mas sou humana e as vezes me sinto mto triste por nao ter tido uam infancia e adolescencia feliz e então procuro por eles e nao recebo nenhum cariho, abraço, sorriso. Não me chama de “filha”.
    Só poss dizer que a religiao destruiu minha vida desde que me entendi por gente, e ate hje ela me destruiu.
    Ah!
    Aqueles coleguinhas de igreja? A maioria é como eu, alguns viraram drogados, um ou outro morreram no crime, algumas menininhas engravidaram cedo e uma virou prostituta. Eu ainda tenho sorte por levar uma vida “normal”, comparando a de alguns coleguinhas q eu vi crescerem junto comigo, ajoelhados atras da porta, de castigo por 3 horas por terem mascado chiclete!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.