8 lições que aprendi sobre a vida ao passar 15 dias no hospital

Tempo de leitura: 8 minutos

Como você reagiria ao ter uma doença grave, e ter que passar diversos dias no hospital?

Será que aguentaria, ou enlouqueceria?

Pois bem, fiquei 15 dias internado no hospital por causa de uma pneumonia.

E durante esses dias aproveitei para refletir.

Descobri então 8 lições que você deve levar para o resto da sua vida.

Mas talvez esteja se perguntando por que deveria ler esse texto até o fim. O que de mais tem por aqui?

É só alguém que talvez você não conheça, dizendo coisas que ele acha. Mas esse texto é para te ajudar a refletir, e pensar sobre o que você tem feito da sua vida.

Nos momentos mais difíceis, como quando estamos bastante doentes, é que valorizamos de verdade aquilo que temos.

Então, se você quer saber mais sobre como melhorar sua vida, continue lendo esse texto para descobrir as 8 lições que aprendi sobre a vida ao passar 15 dias no hospital.

No final você entenderá que a vida vale a pena e que você tem muito a agradecer.

O assunto te interessa? Então compartilhe esse post com seus amigos e ajude-os a valorizar o que tem. 😀

8 lições que aprendi sobre a vida ao passar 15 dias no hospital

1) É preciso ter paciência


Quando você chega no hospital tudo o que você mais quer é sair de lá.

Sério! Dificilmente alguém deseja continuar naquele espaço.

Ainda mais se for hospital público.

Por sorte, ou trabalho dos meus pais, tenho plano de saúde.

E pude desfrutar de um belo apartamento de hospital, com duas camas, banheiro com chuveiro quente, TV, frigobar e refeições inclusas. Parece até bom né?

Só que não escolhi estar lá.

Além do mais a cama não era tão boa, e esse belo espaço vinha junto com uma bolsa de soro, e vários remédios. Alguns colocados pela agulha no meu braço, outros em cápsulas.

Mas o importante aqui é que cheguei no hospital acabado.

Mal conseguia respirar, e sequer andar. Me sentia muito fraco, frágil.

Mas o que aconteceu é que a cada dia que passava eu me sentia mais forte. Lembro que no segundo dia fui tomar banho e passei mal, tiveram que colocar oxigênio pra mim.

O que aprendi é que é preciso ter paciência, porque a cada dia você vai ficando melhor. E se você deixa o tempo passar, as coisas vão melhorando.

Quando sai do hospital não tinha forças para andar, fruto de ter ficado 15 dias ou sentado ou deitado. Mas de novo, os dias foram passando e hoje já estou até correndo na academia.

A lição é: tenha paciência.

2) Humildade para reconhecer a verdade

Você é daquele tipo de pessoa independente, que não precisa da ajuda de ninguém?

Pois bem, também pensava assim em alguns aspectos da minha vida.

Mas descobri da pior maneira que ás vezes você deve ser humildade para reconhecer que não está bem, e que precisa de ajuda.

Por muito tempo estive ótimo, não precisava de ninguém para ajudar a comer, a levantar da cama e a trocar de roupa.

E foi difícil nos primeiros dias ter que reconhecer isso.

Foi ainda mais difícil ao sair do hospital e voltar para casa, e ter que reconhecer que não podia fazer certas coisas. Como tomar água gelada, malhar na academia, me esforçar no dia a dia.

Por não reconhecer, tive algumas brigas com meus pais. Até que me olhei no espelho e disse: você não está bem, deixe as pessoas te ajudarem.

Portanto a lição é: tenha humildade para reconhecer a verdade, mesmo que muitas vezes não seja o que você queira.

3) Entender que as pessoas querem ajudar, mesmo que da maneira errada

Essa lição se complementa com a anterior.

Quando as pessoas querem te ajudar, muitas fazem da maneira errada.

Por exemplo, algumas vezes minha mãe queria me dar um conselho, como o de beber muita água.

Porém ela fazia isso de uma forma errada. Para mim que estudo a fundo a comunicação humana percebia isso na hora.

Ela dava bronca e empurrava para que tomasse muita água, mas sabia que um jeito eficiente de convencer alguém é mostrar porque aquilo vai ajudá-lo.

Assim, evitava a ajuda da minha mãe, porque via que ela estava fazendo da forma errada.

Mas ei?! Eu estudo comunicação há anos e ainda assim cometo erros, imagina minha mãe que nunca se aprofundou nesse tema.

Então, talvez na sua jornada muitas pessoas queiram te ajudar, mas nem todas sabem como fazer isso da forma correta.

Assim, pare de julgar as pessoas por isso, e perceba de verdade o desejo que elas têm em te ajudar. Se apegue a isso, pois isso que é realmente importante.

A lição é: Nem todo mundo sabe agir da forma correta, mas se a pessoa quer de verdade te ajudar, valorize isso.

4) A pior doença é a mental

Imagine passar 15 dias deitado em uma cama de hospital?

15 dias lutando pela vida.

É obvio que irá haver um cansaço físico, mas o pior cansaço é o mental.

Porque talvez seja difícil ficar com as dores no corpo, aquele negócio de tomar remédio, de ficar deitado ou sentado.

Mas a pior coisa mesmo é a mente, é se manter confiante, de que tudo vai dar certo, de que você vai sair dali, vai voltar para vida, vai comer comida gostosa.

A maior dificuldade é se manter são.

Porque se sua mente desistir de lutar pela vida, dependendo da doença, seu corpo também irá desistir.

Precisava a cada dia que passava colocar uma esperança em mim, de que daria tudo certo.

Na primeira semana foi até fácil. Mas quando passou o primeiro domingo, as coisas começaram a complicar.

Aquele estresse mental em mim. O corpo estava bem melhor, mas a mente tinha sinais de problema.

Mas me mantive confiante, e no final tudo deu certo.

Então a lição aqui é: cuide da sua mente, problemas com ela podem te destruir.

5) Aceitar mudar hábitos para melhorar

Todos nós temos hábitos. Acordar cedo, beber água, fazer exercícios, e tudo mais.

Mas quando se está doente é preciso mudar alguns hábitos, porque ás vezes alguns deles podem te prejudicar.

Tive que mudar várias coisas, e algumas delas ainda nem voltei a fazer.

Primeiro fiquei fora da academia por 1 mês. Parei de beber água gelada. Não pude mais dormir com o ventilador ligado por causa da poeira. Mudei a alimentação.

Ou seja, tive que fazer adaptações para combater aquilo que tive. Isso é muito importante!

Ás vezes para conquistar você precisa se adaptar. Não falo só de doença, mas de tudo na sua vida.

Mudar hábitos é preciso, essa é a lição.

6) Você vai melhorar se continuar na jornada

Quantas vezes você começou algo e depois desistiu? Uma dieta, um livro, um negócio.

Pois bem, o que aprendi nesses 15 dias, e também nos dias que se sucederam, foi que as coisas melhoram se você continuar lá, fazendo, dando o seu melhor.

Quando cheguei no hospital mal conseguia respirar. Hoje respirar está tranquilo.

Quando sai do hospital mal conseguia andar, minhas pernas tremiam quando subia ou descia uma escada. Hoje pego uma escada tranquilamente.

Portanto você precisa continuar dando o seu melhor. Precisa estar 100% na jornada.

Porque quanto mais você fizer, melhor ficará.

Entrei no hospital super fraco. Mas o tempo passou, fiz o que tinha que ser feito, e hoje me sinto bem melhor.

A lição é o que a Dory diria: continue a nadar.

7) Oportunidades vão passar, mas outras virão

Quantas oportunidades você perdeu na sua vida por causa de alguma dificuldade?

Por estar doente perdi duas boas oportunidades.

A primeira foi um grande show na minha cidade, ao qual fui convidado a assistir, mas não pude ir porque ainda estava fraco, além da influência do ar condicionado no local do show.

A segunda foi uma corrida de rua que me inscrevi, paguei inscrição, peguei camisa, mas não pude participar.

A corrida se realizou uma semana depois de sair do hospital, e mal conseguia andar, imagina correr.

Mas a lição aqui é que você vai perder muitas oportunidades, prepare-se para isso.

Só que você precisa estar atento, porque outras oportunidades virão.

E se você ficar fixado naquilo que perdeu, vai acabar deixando outra coisa tão boa quanto escapar, porque estava lá remoendo o passado.

Esteja atento, novas oportunidades virão, essa é a lição.

8) A vida vale a pena

Por último não poderia deixar de dizer que sim, a vida vale a pena.

Quando estamos num hospital, privados da liberdade, tudo o que queremos é sair, voltar a viver.

Fazer o que sempre fizemos: sair, conversar, comer o que desejarmos.

Só ali, quando estamos fracos, debilitados, é que percebemos a dádiva que temos em poder viver.

Portanto não espere ir para uma cama de hospital para perceber essas lições.

Aproveite ao máximo tudo de bom que você tem.

E conviva com aquilo de ruim, mas sempre eliminando o que for possível.

A vida vale a pena, e essa, meu amigo, são minhas lições para você.

Muito obrigado!

Até a próxima,
Luciano Junior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *