Você não tem preconceito, mas O Boticário…

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Talvez você já tenha visto por ai a nova propaganda do O Boticário para o dia dos namorados. Isso, aquela mesmo que trás dois casais homossexuais como protagonistas, e trocando presentes. Poderia ser uma propagando normal, como qualquer outra, mas esse pequeno detalhe enfureceu a consciência de algumas pessoas que resolveram reclamar da propaganda.

Através de uma coisa conhecida como “efeito manada”, as pessoas começaram a falar sobre a propaganda e tocar nesse assunto. Notícias e reclamações de consumidores se dizendo lesados por a propaganda atacar a tal “família tradicional”. Algumas dessas reclamações você pode ver no site do Não Salvo. Mas um padrão nessas mensagens me chamou a atenção. O tal padrão é “eu não tenho preconceito, mas…”.

Primeiro de tudo, se você não tivesse preconceito o “mas” não existiria. Porque o “mas” nesse caso, já significa um repulsa. Por exemplo: eu não tenho preconceito, mas acho a propaganda inapropriada para a TV aberta (sério, uma pessoa disse isso). Raciocine, se você não tivesse preconceito contra os homossexuais, você jamais seria contra eles passarem na TV aberta.

Tente levar isso pra um casal heterossexual, mude a situação. Existe algum problema de um casal heterossexual dar um selinho na TV? Não? E de um casal homossexual? Tem problema? Sim? Por que isso acontece? O problema nunca esteve no beijo, o problema está no tipo do casal. Sempre que tiver essa dúvida sobre se é preconceito contra gays, tente imaginar um casal hetero na mesma situação, se a situação for normal, isso significa que há um preconceito.

Se a propaganda só tivesse os dois casais heterossexuais, ninguém reclamaria, e não estaria escrevendo e você lendo esse texto. O que mostra que existe sim um preconceito. Não só na propaganda, mas de modo geral. As pessoas não aceitam que outras gostem de outras coisas, de pessoas do mesmo sexo. Veja bem, a homossexualidade, seja entre homens ou mulheres, sempre existiu. A diferença era que antes eles eram obrigados a se esconder, e muitas vezes levar uma vida dupla com um relacionamento hetero de fachada.

Outra questão abordada é que segundo as pessoas, isso de passar propaganda com homossexuais iria influenciar as crianças a serem gays. Pois eles estariam vendo e isso, e achando normal, e então por esse motivo as chances de serem gays iriam aumentar. Ser homo ou não ser, não é uma questão de ver, é uma questão de gosto, assim como tem gente que gosta de pessoas mais gordas e outras de pessoas mais magras. Na verdade, ver o gay na TV só vai fazer a criança ser mais tolerante e não ficar dizendo que não tem preconceito, mas que não quer nenhum gay por perto.

O problema não está na propaganda. A propaganda apenas reflete a realidade, porque sim, existem pessoas do mesmo sexo que se amam. A verdadeira raiz do problema está em a gente entender que quanto mais falarmos sobre preconceito, mais ele vai existir. O preconceito só acaba quando a gente sente que é normal ser diferente, e que um gay ou uma lésbica é tão gente como você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.