Geração Y está buscando propósito e inovação

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Os estudantes de administração e engenharia nas 12 maiores economias do mundo escolheram os seus empregadores favoritos. Mais de 240.000 entrevistados na Pesquisa Talent da Universum classificaram as empresas que consideram as mais desejáveis para trabalhar, e os resultados ofereceram alguns insights valiosos.

A falta de crescimento profissional é o maior medo deles

A Geração Y quer entender verdadeiramente o propósito da empresa, alinhar-se a ele e trabalhar com os outros para impulsionar o desempenho da organização. Eles querem ser inspirados, não sobrecarregados, pelas mensagens do empregador. Contar histórias é fundamental: os jovens da Geração Y querem saber mais sobre os funcionários que personificam os valores da organização e contar histórias verdadeiras sobre a vida profissional deles.

O maior medo dos jovens da Geração Y é ficar parado, sem a oportunidade de crescimento e desenvolvimento profissional. Empresas de serviços profissionais, como a PwC e a EY, continuam à frente no ranking em relação a isso; outras indústrias devem avaliar como este setor estimula os funcionários através de treinamento e orientação.

“O WMAE 2015 confirma que a Geração Y vai trabalhar para empresas cujas histórias possa contar, cujos valores possa abraçar e cujos negócios possa aprender”, diz Petter Nylander, CEO da Universum.”Os estudantes estão buscando plataformas para o seu próprio desempenho e crescimento, e eles nos disseram quais empresas estão conseguindo oferecer isso.”

Google fica em primeiro lugar para estudantes de administração e engenharia

Houve pouca mudança nos cinco maiores empregadores entre os estudantes de administração em relação aos rankings de 2014, com o Google mais uma vez ficando em primeiro lugar, seguido pela PwC, EY, Goldman Sachs e KPMG. As maiores empresas entre os estudantes de engenharia são Google, Microsoft, Apple, BMW Group, e General Electric.

Os jovens da Geração Y são altamente atraídos pela energia empreendedora no local de trabalho. Eles querem trabalhar em ambientes inovadores, livres de problemas de infraestrutura, enquanto entregam fortes resultados financeiros. Consequentemente, a indústria de tecnologia geralmente atrai esse tipo de talento. Em relação aos empregadores de outros setores, o setor de energia sofreu um golpe, com todos os empregadores caindo nos rankings, enquanto o dinâmico setor de bens de consumo experimentou uma recuperação positiva.

Os rankings WMAE são compilados a partir das Pesquisas Talent da Universum, realizadas na Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Rússia, Reino Unido e EUA. Estes mercados representam 69% da economia mundial. O período de campo para a coleta de dados foi de setembro de 2014 a abril 2015.

*Um texto da PR Newswire.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.