Como escrever seu primeiro livro

Tempo de leitura: 11 minutos

Livros

Escrever um livro é uma tarefa sensacional. Saber que suas palavras preenchem um amontoado de folhas que simbolizam uma história ou alguma teoria sua, é uma coisa incrível. Muitos inclusive acreditam que é necessário um dom para exercer tal atividade. Dom esse que só pode ser obtido uma vez na vida: quando nascemos. Porém a verdade é que qualquer um pode escrever um livro, independentemente da idade, do gênero sexual, e do conhecimento. A ideia extremamente necessária para começar a escrever um livro é somente começar, um livro não nasce se ninguém não começar a colocar palavras dentro dele.

Durante minha jornada para escrever meu primeiro livro descobri diversas coisas. A primeira de todas é que muitas vezes nem a gente mesmo sabe que pode escrever um livro. No período de escola nunca fui o garoto que adorava livros, e que sempre estava devorando um título. Os poucos livros que havia lido tinham sido os que eram passados no colégio para fazer provas ou trabalho.

Tudo mudou quando aceitei o desafio de ser parceiro de uma editora. Basicamente o que tinha que fazer era escolher um livro da editora, eles me enviavam o livro, eu lia em até trinta dias e colocava uma resenha no meu blog. Com isso meio que fui “obrigado” a ler, e assim fui me encantando um pouco. Um dia, à noite, comecei a pensar sobre as decepções amorosas que todos vivemos, e queria fazer uma rodinha de amigos e bater papo com eles sobre esse assunto. Mas a ideia era meio louca, então rapidamente pensei: porque não escrever um livro. Assim começou a escrita do meu primeiro livro.

Não tinha editora, nem ninguém me pedindo a história, apenas queria escrever aquilo. Esse foi o primeiro passo e mais importante. Para escrever um livro a primeira coisa é querer, caso contrário não vai fazer muito sentido para você abrir um arquivo no computador e começar a jogar um monte de palavras, que talvez não faça tanto sentido para você. Antes de tudo é preciso que você queira escrever, e goste do assunto que está tratando.

Na escola não era um grande leitor, mas quando entrei no meio e comecei a pesquisar mais títulos, percebi que tinham histórias sensacionais, mas que não foram apresentadas a mim. Histórias como “Pai rico, pai pobre” e “A página perdida de Camões” não estavam na grade curricular da minha escola, e de vestibular algum, mas foram histórias que me encantaram.

Óbvio que a jornada não é fácil. George R. R. Martin , autor de As Crônicas de Fogo e Gelo, teve um texto rejeitado 42 vezes por diversas revistas no início de sua carreira. A própria As Crônicas de Fogo e Gelo só veio fazer um grande sucesso quase nove anos depois de A Guerra dos Tronos ser lançada. J. K. Rowling, da saga Harry Potter, passou por diversas dificuldades na sua vida, foi maltratada pelo marido, tornou-se mãe solteira, e quase teve seu primeiro livro recusado pela editora, sorte que uma pessoa encontrou o manuscrito na caixa de devolução e resolveu publicar, achando que seria um bom livro. O resultado foi que Harry Potter fez o sucesso que fez, e J. K. Rowling tornou-se a primeira pessoa que ficou bilionária (valor em dólares) escrevendo livros.

Só que todos tiveram que escrever o primeiro texto na vida, mas é claro que foi necessário um monte de coisas para que eles pudessem finalmente escrever uma história que encantasse.

Desenvolva habilidades

A primeira coisa a ser feita é desenvolver as habilidades necessárias. Se você pensa em escrever uma história de ficção, essas habilidades consistem em desenvolver criatividade e conhecer coisas.

Comece a conhecer o mundo, e você nem precisa sair de casa para isso. Estude outras culturas pela internet, assista filmes, preste atenção nos detalhes. Utilize sua imaginação. Quando criança sempre antes de dormir eu imagina uma história e criava todo um enredo, ou mesmo na hora de brincar com os meus brinquedos, imaginava toda uma cena, com direito a mocinho, vilão e donzela. Na época não podia ver, mas aquilo me ajudou a desenvolver minha criatividade, e a poder criar histórias no futuro.

Também aprendi diversas coisas, desde coisas relacionadas com a tecnologia, até coisas que não tinham nenhuma relação entre si. Mas com isso eu poderia enriquecer o cenário da minha história. Um exemplo seria saber em que ano uma determinada moto foi criada, e dependendo, colocar isso na sua história de alguma forma.


Escreva, escreva, escreva

Infelizmente não existe outra forma de aprender a escrever, sem exatamente escrever. No começo seu texto será muito ruim, sua pontuação poderá estar errada, mas esse é o único jeito de conseguir escrever bem. Quando leio um livro de bons autores fico imaginando um dia escrevendo como ele escreve, e então lembro que o único jeito de atingir aquele nível é continuar a escrever.

Comece agora, crie um blog, mostre a todos como você escreve, e fique aberto às críticas. Ou se você não quer mostrar seus textos para todo mundo ainda, abra um arquivo de texto no computador e comece a escrever, ou compre um diário. Habilidades como escrever, só se desenvolvem escrevendo.

Procure erros e erre

Na sua jornada para escrever seu primeiro livro, você vai se deparar com diversos erros na sua escrita. O primeiro texto que escrevi no meu blog é terrível, mas nem por isso eu desisti. Erre, não tenha medo de errar, de colocar um acento onde não devia, ou mesmo de colocar um “assento” no lugar errado. Não tenha medo de colocar vírgulas demais, ou de não conseguir prender a atenção do leitor com o seu texto, e nem de repetir diversas vezes a mesma palavra no seu texto, exatamente como acabei de fazer.

E o mais importante, sempre perceba os erros e toda vez que achar mais um, tente corrigi-los, e entender porque estão errados. Qual a diferença de “se não” e “senão”. O certo é “demais” ou “de mais”. Procure sempre aprender para não cometer os erros novamente, uma hora eles se tornam naturais e você nem percebe que está escrevendo corretamente. Para ajudar utilize um corretor ortográfico, ou mesmo o programa de textos do seu computador.

Faça um planejamento

Costumamos ter muitas ideias dentro da nossa cabeça, o que pode acabar fazendo com que a gente comece escrevendo sobre uma coisa e depois termine com outra. Então, antes de escrever, delimite o seu assunto, se você vai falar dos “pinguins australianos que fazem suas próprias casas”, comece falando disso do começo ao fim. Quando você estiver craque nisso, vai conseguir fazer uma ligação do seu tema principal com outro assunto, e assim mesmo não vai se perder no seu texto.

Quando começar a escrita do seu primeiro livro, crie um pequeno roteiro, dizendo quem são os personagens e a função de cada um, além de determinar o enredo principal da sua história. Assim você não se perde.

Comece agora

Não adianta nada você saber disso tudo, e não começar a escrever, seja num blog ou num diário. Por isso comece agora, é a única maneira de um dia escrever seu primeiro livro. E se você já se acha pronto, comece a criar sua história, não espere uma editora vir até você e te pedir, talvez isso nunca aconteça.

Os gêneros

Agora que você já sabe como começar a escrever, precisa conhecer um pouco mais sobre o mundo da literatura. O primeiro passo é conhecer os gêneros. Afinal, seu texto é de prosa ou poesia?

Essa pergunta ouvi diversas vezes quando lancei meu primeiro livro, e juro a você que no começo não entendia, mas depois fui pesquisar. Basicamente a prosa são textos corridos, como esse aqui que você está lendo, e aqueles presentes em livros de ficção. Já a poesia é de fato a poesia, o poema, aqueles textos demarcados e com um monte de regras que ainda não entendo.

Depois disso, se você resolveu seguir a prosa, agora é hora de escolher seu gênero textual. Particularmente prefiro definir depois da escrita do livro, é que isso pode acabar limitando sua história. No começo acreditava que meu livro era um conto, mas depois percebi que na verdade tratava-se de um romance. Se eu tivesse delimitado nada disso teria acontecido.

E no fim, existem diversos gêneros que seu texto pode se encaixar: conto, crônica, novela, romance, fantasia, fábula e muitos outros.

Mercado editorial

O mercado editorial é bem fácil de entender, mas bem complexo de se atuar. É por isso que muitos livros se tornam best-sellers e ninguém compreende o motivo. Assim como diversas histórias sensacionais são descartadas pelas editoras.

Basicamente o papel da editora é escolher uma história, produzi-la em formato livro, colocar a venda, e trabalhar o marketing. Simples assim. O problema é que existem milhares e milhares de histórias esperando sua chance, assim como existem milhares de livros a venda buscando o seu público. Para resolver problemas como esse é que foram criadas outras formas de distribuição. Como a independente e a parceria.

Na independente o trabalho fica todo para o autor, ele pode sim contratar pessoas para fazer o trabalho para ele, mas terá que desembolsar o dinheiro para isso. Muitos autores independentes normalmente pedem a ajuda de amigos. Um amigo designer faz a capa, outro amigo professor de português faz a revisão e assim vai. No final ele contrata uma gráfica que imprime todos os livros e depois manda toda a tiragem para ele. Existe ainda a possibilidade de pedir patrocínio a alguém. Como autor independente, que participou de todas as etapas de produção do livro, posso dizer a você, a parte mais difícil não é escrever o livro ou produzir, e sim vendê-lo.

Já na parceria existem diversas possibilidades. Você pode pagar um valor a editora e ela produz e vende seus livros. Pode ser você e a editora custeando meio a meio do valor gasto na produção do livro. E centenas de outras parcerias que diversas editoras possuem.

Já numa editora nos moldes tradicionais, o primeiro passo é descobrir se elas aceitam envio de originais. Um original é o texto do seu livro sem formatação, capa, ou qualquer coisa desse tipo, é o texto puramente.

Se elas aceitarem é só descobrir como fazer para enviar. Algumas editoras só aceitam envio físico, enquanto outras aceitam que você envie o texto pela internet. Essas regras estão sempre colocadas no site das editoras. Se você não achar por lá, basta enviar um email perguntando se eles aceitam e como fazer para enviar.

Depois seu texto passará por um período de avaliação. O segredo é que as editoras não escolhem o melhor texto, aquela história que é incrível. Ela faz uma escolha mercadológica. O livro é bom? Tem apelo junto ao leitor? Pode vender bastante? E é nessas duas últimas perguntas que a maioria das histórias cai. Não que seu livro não venda, mas talvez a pessoa que avaliou sua obra, devido aos diversos anos de experiência dela não percebeu isso. Mas calma, não significa que seu texto é ruim. É por isso que muitas vezes editores são surpreendidos por livros que poderiam vender bem, mas sem motivo aparente se tornam best-sellers.

Comece agora

Preciso repetir para que você comece já. Não fique esperando passar anos e mais anos sem saber se talvez teria sido interessante escrever aquela história. Você precisa começar agora.

Aqui dei apenas um pequeno resumo da minha palestra “Como escrever seu primeiro livro” que apresentei pela primeira vez durante o 24º FIG, o maior festival multicultural da América Latina. Nessa palestra passei mais de duas horas falando sobre como qualquer um poderia escrever seu primeiro livro. Pude perceber que muitas pessoas querem escrever um livro, mas nunca começam, sempre ficam adiando e um dia a vida passou e não há mais tempo.

Por isso quero que você comece agora, não se preocupe com o que os outros vão dizer, nem com o dinheiro que você talvez possa ganhar, aliás, se você está pensando em ficar rico com livros, sugiro que procure outro trabalho.

Mas se sua intenção é realmente escrever, vá em frente, comece agora.

5 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *