Sobre mulheres e suas fotos íntimas vazadas na internet

Tempo de leitura: 2 minutos

Kate Upton

Hoje estava vendo uma “discussão” (pra não chamar de discurso de ódio) a respeito de moças que tem fotos íntimas vazadas na internet e que sofrem diversos problemas com isso. Pensado nisso, vou recorrer à analogia para expressar minha opinião.

Pensamos então na menina x e numa pessoa y. A menina x resolveu tirar uma foto do seu corpo nu pelo motivo de que, ela quis. A pessoa y teve a ideia de atravessar a rua pelo mesmo motivo. A pessoa y estava ciente de que existem muitos motoristas imprudentes e por conta disso poderia ocorrer de ela ser atropelada, a menina x tem consciência de que vive num mundo machista e que esse ato poderia acarretar no vazamento público da imagem de seu corpo. Por ter noção dos riscos a pessoa y atravessou a rua sobre a faixa de pedestres e no farol vermelho para tornar esses riscos menores, estando ciente da mesma forma, a menina x enviou a foto para seu namorado, pessoa que ela confia muito, pelo mesmo motivo, diminuir os riscos.

Acreditamos muitas vezes que atravessando a rua de forma segura não corremos risco, assim pensou a pessoa y, assim pensou a menina x. Infelizmente isso não é verdade, pois a pessoa y acabou sendo atropelada e a menina x teve sua intimidade exposta.

Esses dois acontecimentos poderiam ter sido evitados, o atropelamento não aconteceria se a pessoa y tivesse ficado em casa, o vazamento não ocorreria se a menina x não tivesse tirado a foto.

Todos da cidade se revoltaram com aquele atropelamento, como poderia haver um motorista daqueles solto nas ruas? Ele certamente é um perigo para as pessoas. No caso do vazamento da imagem, a menina foi vítima diversas e diversas vezes de agressão verbal e difamação, todos da cidade tinham sua foto, todos a compartilharam, por isso teve que largar a faculdade, foi demitida e não aguentando essa situação foi obrigada a mudar de cidade. Todos diziam “olha só essa safada, agora quer se fazer de vítima”, “A culpa não é minha que compartilhei a foto, é dela que tirou”.

Entretanto, naquela região nunca foi ouvido “Também, olha só que irresponsável, quem mandou atravessar a rua?”, nem “Se tá atravessando a rua é porque quer ser atropelada”.

Na verdade, todos só lembravam o quanto aquele motorista foi desrespeitoso às leis que prezam pela nossa segurança, e que esse desrespeito culminou no atropelamento de alguém.

A pessoa y e a menina x estão exercendo a liberdade delas, porém uma é vítima e outra é culpada, uma pediu para aquilo acontecer e a outra só estava sendo livre pra ir e vir.

E quem compartilhou a foto? Já ia esquecendo dessas pessoas, afinal quase ninguém lembra delas, não é? Essas pessoas sim são as culpadas, elas assim como o motorista cometeram um crime, e da mesma forma que o motorista tem que ser penalizada por isso.

Cuidado, machismo mata.

Texto por Samuel Barros.

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *