A morte das férias

Tempo de leitura: 1 minuto

Melancolia

Algumas pessoas não merecem morrer…

Sim isso aconteceu. Ainda me sinto muito abalado. Por quê? De uma maneira tão cruel e repentina. Ninguém se importou com meus sentimentos, tiraram ela de mim sem pedir licença, por favor, ou obrigado.

O que aconteceu exatamente? Foi um assassinato, um homicídio, ou talvez um suicídio. Mas, tenho certeza que foi um crime. Deixou todos muito chocados. Foi uma perda inestimável.

Qual era meu relacionamento com ela? Bem, devo admitir que no início custei a acreditar que ela estava comigo, ainda acordava com o som do despertador acreditando que tinha coisas a fazer. E então, foram passando alguns dias e me acostumei com sua presença. Ela foi fazendo parte de minha rotina diária, estava em êxtase, todos os dias acordava mais tarde. Sim ela me fez feliz, preciso admitir. E então, quando o relacionamento tornava-se mais íntimo, quem sabe um dia poderia viver com ela para sempre, ela se foi, sem explicações ou e-mails.

Hoje, ainda lembro-me de tudo o que passamos juntos, talvez eu não deva dizer que era amor, foi muito recente, mas confesso que há algum tempo não era tocado por um sentimento tão profundo. Só de pensar nela me emociono. Se eu estivesse com ela hoje, aproveitaria muito mais.

Mas, enfim.

Ela morreu.

Foram os quinze dias mais emocionantes da minha vida. As férias me envolveram como ninguém jamais ousou fazer.

Sua morte não será em vão. Irei lhe visitar de vez em quando com algumas rosas. E direi que você foi muito importante na trajetória de minha vida.

Obrigado por tudo.

Apesar de sua morte, você estará sempre aqui.

Obs.: Eu acho que era amor.

Adeus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.