Vai fazer vestibular? Não se desespere

Tempo de leitura: 1 minuto

Estudante estressado

Se você é um dos 9,5 milhões de estudantes inscritos no Enem ou um dos candidatos a uma vaga no vestibular da Fuvest em 2014, já posso imaginar a pressão que você está sentindo. Mas cuidado: se o psicológico do estudante não estiver em ordem, todo o trabalho pode ser desperdiçado. Mantenha a calma e siga algumas dicas para se preparar tranquilamente para esta época difícil.

  • Converse abertamente com seus pais
  • Não é porque eles entraram em uma universidade pública que você precisa seguir os mesmos passos. Explique quais são os seus sonhos, sua expectativa de carreira e aceite sugestões, mas deixe claro os seus objetivos. Estudar para determinado vestibular é fundamental e a escolha refletirá pela vida inteira, então seja franco. Um bombardeio de exigências submete o estudante a transtornos de ansiedade, desinteresse e até depressão, de acordo com psicólogos.

  • Crie uma rotina equilibrada
  • Não adianta abrir mão da vida social para ficar trancado estudando. Reserve algumas horas na semana para rever os amigos e passar algum tempo sem pensar no vestibular. Manter-se bem alimentado também é fundamental. Nada de fast foods. Coma verduras, frutas e alimentos que estimulem a memória.

  • Torne o estudo mais agradável
  • Tente alternar os livros com formas mais descontraídas de estudo. Uma boa dica é investir em plataformas de ensino e ferramentas online. Aplicativos como o Gabaritar e sites de vídeo aulas como o Descomplica ajudam a tornar a rotina de estudos mais divertida e completa. Além de recursos eletrônicos, mantenha sempre um caderno para anotações e um ambiente confortável, organizado e tranquilo.

  • Durma
  • Não perca o sono estudando. Ao contrário do que muita gente pensa, passar noites em claro mergulhado nos livros não é eficiente. A mente precisa estar em ordem, lembra? Não a sobrecarregue.

  • Respeite seu limite
  • Muitas pessoas nesta fase emagrecem, ficam doentes, têm insônia e se isolam. Preste atenção em qualquer sintoma negativo que o corpo transmite e reduza o ritmo. Converse com os pais, professores ou algum psicólogo.

    Texto por Breno Oliveira.

    1 comentário

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.