Gosto de você, e é definitivo

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Loira definitiva

Esse post foi gravado em áudio. Se você preferir pode ouvir o áudio ao invés de ler o texto.

Talvez palavras não consigam descrever nada disso, talvez elas sejam meras letras jogadas ao vento. Talvez elas nem importem tanto assim, mas essas palavras escondem algo, algo importante que meu subconsciente negou por algum tempo. Ele me dizia que você era apenas uma parte linda do meu passado, que era uma droga lembrar, mas não há como passar uma borracha no passado.

Você era um dos meus maiores arrependimentos, arrependimento de ter-me declarado para você e depois não ter feito nada. Mas tudo durou muito pouco, em cerca de alguns meses nossa breve história acabou. Quer dizer, pensamos que acabou. Na minha mente tudo não passaria de uma lembrança ruim que me atormentava.

Mas então veio a faculdade, e numa noite como qualquer outra nos encontramos, e droga, caramba, como você estava linda. Vimos-nos rapidamente, mas foi o suficiente para despertar aquilo que estava bloqueado em mim. Pensei também que aquilo que você sentia por mim estava bloqueado aí, em algum canto desse doce coração. E você não consegue imaginar minha tristeza quando vi no Facebook que você estava num relacionamento sério com um cara. Mas graças aos deuses do Olimpo, e peço desculpa por dizer isso, mas era o que sentia, você terminou com ele. Pra mim uma chance tinha nascido, mas fiquei quieto, sem fazer nada. O tempo passou e não aguentando mais a culpa resolvi tomar uma atitude, por mais louca que fosse, tentei resolver o problema.

Te falei, como quem te conhecia a tempo (e eu conhecia), mas você respondeu como se eu tivesse sido alguém que passou por sua vida sem nem ao menos deixar um risco. Enquanto isso, nas minhas lembranças, confiava cegamente que tinha feito você viver um dos piores momentos da sua vida, mas era só coisa do meu cérebro. Não signifiquei nada para você, foi o que você falou. E então nos separamos de novo, talvez nossos destinos não fossem ficar juntos, talvez você nunca tenha gostado de mim.

De novo te perdi, mas caramba, você estava linda e gostosa, e fofa, e legal, e interessante, e majestosa, e sensacional, e eu queria, como eu queria você, mas não significo nada para ti. Então me apaixonei por outro alguém, mas cada vez que via você nos corredores da faculdade, tudo aquilo voltava, e eu repetia, ela não gosta de mim. Até que ficamos perto um do outro uma última vez, e dessa vez você olhou para mim sem querer, e de novo sem querer, e sem querer, e sem querer.

Apaixonei-me novamente. A outra garota se mostrou difícil, e ela acha que conseguirei esperar outros seis meses por ela, mas eu não consigo, eu simplesmente não consigo suportar. E você está aqui tão próxima, tão perto, tão linda. E de alguma forma quero ter você.

Por isso tomei uma decisão. Primeiro aceitei o fato de que você não gosta de mim, e a partir de agora usarei tudo o que puder para conseguir conquistar você. Não importa se você nunca me amou, eu vou fazer você amar. Você ainda vai ser minha, por que eu gosto de você, e a partir de agora é definitivo.

*Esse texto pertence ao Cartas Para Elas, um apêndice do romance Desilusões Apaixonadamente Amorosas, e fala sobre a personagem Mari.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *