Falar uma segunda língua retarda a demência

Tempo de leitura: 1 minuto

Curso de idioma

Aprender uma segunda língua nos dias de hoje é quase que uma obrigação. Quem sonha em trabalhar em uma grande empresa ou mesmo criar a sua empresa e a tornar uma empresa grande, precisa ter o conhecimento de ao menos uma segunda e até uma terceira língua.

Só que além de ser uma mão na roda no mercado de trabalho, uma segunda língua pode retardar em até cinco anos um quadro de demência. O estudo, realizado pela Universidade de Edimburgo e pelo Instituto de Ciências Médicas Nizam em Hyderabad (Índia), foi feito com 650 pacientes que sofriam de demência e verificado quando cada um tinha sido diagnosticado com a doença.

Assim eles descobriram que as pessoas que falavam duas línguas ou mais, experimentaram um início mais tardio de Alzheimer, demência vascular e demência frontotemporal. A vantagem bilíngue também é estendida para as pessoas que nunca frequentaram a escola, confirmando que o efeito não é causado por diferenças na educação formal.

Esse é o maior estudo na área ao analisar o impacto bilinguismo com o começo da demência, independente da educação da pessoa, gênero, ocupação e também a cidade ou país onde vive, todos os quais têm sido examinados como potenciais fatores que influenciam o aparecimento da demência.

Os pesquisadores afirmam que ainda é preciso mais estudos para determinar porque isso acontece. Eles acreditam que a diferença entre os sons, palavras, conceitos, estrutura gramatical e normas sociais, constitui uma forma natural de treinamento do cérebro, o que é mais efetivo que qualquer treinamento artificial.

“Essa descoberta do bilinguismo talvez tenha uma influência mais forte na demência do que qualquer droga disponível hoje. Isto faz o estudo da relação entre o bilinguismo e cognição, uma das nossas maiores prioridades”, afirma Thomas Bak, da Universidade de Edimburgo.

É por essas e outras que já aprendi uma segunda língua, tendo no meu currículo duas linguagens e meia, já que meu espanhol não é tão bom assim.

Fonte: Psypost

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.