Ela tem cheiro de bala de tutti-frutti

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Garota com chiclete

Não sei como escrever essas coisas, não sou como aquele escritor do último livro que li, nem sou um daqueles poetas que falamos no trabalho de Português. Mas não sei o que fazer, estou apaixonado por essa garota. Ela estuda na minha sala do quinto ano do fundamental no colégio.

Ela é loirinha, tem os olhos castanhos mais lindos que já vi, e gosta de chiclete. Todo dia que ela chega pela manhã sempre está com um chiclete na boca, mastigando e mastigando. Ela sempre senta na segunda cadeira da terceira fila da esquerda para a direita, e ninguém ousa tomar o lugar dela. Essa garota não é a mais popular da sala, mas está entre as mais, e em minha opinião é com certeza a mais bonita.

Meu pai me disse alguns anos atrás que eu ainda iria gostar de garotas. Naquela época, eca!, gostar de uma menina, nunca imaginei que isso aconteceria comigo, mesmo achando incrível o amor entre meu pai e minha mãe. Só que tudo mudou quando a garota que tem cheiro de tutti-frutti apareceu. Na verdade ela sempre estudou na mesma sala que eu, mas nunca tinha-me interessado nela. Até que um amigo meu, que era novato, começou a dizer que ela era muito bonita, e a partir daí tudo mudou.

Ela não era como as outras, sabe, é o que acho, ainda não sei muita coisa sobre o amor, mas já deu pra perceber que ele machuca muito. Não sei muito sobre essas coisas, então o que a gente faz quando está apaixonado por alguém? O Gabriel, um amigo meu da escola, mandou uma cartinha para a garota que ele gosta, uma tal de Gisele que estuda na outra sala, mas ela o magoou, e ele até chorou. O mais incrível é que ele não desistiu, será que o amor é mesmo assim?

Sei lá, eu só queria que a professora colocasse a gente para fazer um trabalho junto, ela sempre escolhe as duplas, mas nunca me coloca com a garota com cheiro de bala de tutti-frutti. Não sei mais o que fazer, essa menina está-me deixando louco, tirei zero na prova de Geografia porque fiquei olhando ela enrolar o cabelo com a caneta.

Só queria que existisse um jeito mais fácil de resolver as coisas. Quero passar o resto da minha vida ao lado dessa menina, quero mexer no cabelo dela, e também comprar uns chicletes pra ela, só pra sentir aquele cheirinho de tutti-frutti. Eu a amo, e isso dói. Mas ela é doce feito uma bala de tutti-frutti, por mais que ela só mastigue chiclete de menta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *