Eu me pareço mais com o Tom ou com o Jerry?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Tom e Jerry

“Quando eu era pequeno eu queria ser como o Jerry… Agora eu cresci, e entendo perfeitamente o lado do Tom”.

As pessoas desde cedo se acostumam a viver em relacionamentos afetivos, inicialmente temos a construção da relação familiar, e a partir deste momento viveremos cercados de conexões sociais, pois independentemente de nossa vontade, para sobrevivermos necessitamos do contato com pessoas. Apesar da compreensão de que é importante se relacionar com alguém, esse tipo de prática possui dois extremos: o amor e o ódio.

As pessoas se perguntam por que é tão difícil se relacionar? Ou algumas vezes afirmam: Nossa relação parece até Gato e Rato.

Esse tipo de pensamento me faz lembrar dois personagens muito famosos que andaram perambulando pela minha infância, e que ainda podemos esbarrar com eles por aí. E estes dois, tinham uma relação politicamente incorreta, a rotina deles estava baseada em conflitos. Diante disso eu fico pensando, e me questiono da seguinte forma: Quem era o culpado pelas brigas? O Tom ou o Jerry?

Então podemos tentar compreender e consequentemente responder da seguinte forma: Ah… O Tom fica quietinho ali, deitado, dormindo e aí aparece um rato “astuto” e o incomoda, provocando toda aquela confusão. Ou de repente, você toma uma posição diferenciada: Ah… É claro que a culpa é do Tom, ele é maior, mais forte, e ameaça e aterroriza o psicológico do pobre Jerry.

A análise do desenho em questão é apenas um meio para se pensar sobre a sua atual condição, e entender o seu papel. Você que no momento lê atentamente as palavras aqui escritas é o “personagem” que perturba? Ou o que é perturbado?

Quer dizer… Existe realmente essa culpa excessiva em apenas um deles, ou, melhor dizendo, você é sempre o mocinho da história? Você nunca foi o vilão?

É óbvio que você já teve um dia de Tom e um dia de Jerry, mas eu acredito que o principal problema seria admitir que você como ser humano é “diverso” e único ao mesmo tempo.

Admitir essa diversidade que existe dentro de você não é para todos, você precisa ter uma qualidade exclusivamente heroica chamada: Humildade.

Essa característica se apresenta apenas quando você experimenta se compreender como pessoa.

Toda essa argumentação proposta acima serve apenas para entender a seguinte questão:

“Se relacionar é provocar e ser provocado ao mesmo tempo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.