Sinto muito, mas não ouvi nada do que você falou…

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Fone

De vez em quando fico observando como anda essa nossa sociedade, e tenho percebido que os “passos” continuam os mesmos, entretanto numa análise mais “feroz”, percebi que a humanidade está com uma prática muito interessante.

As pessoas não têm mais contato com o som “natural” que nos rodeia, ou seja, não escutam nada que está a sua volta, cada um utiliza o seu som, a sua trilha sonora.

Recentemente vi uma cena, que me fez entender que faço parte dessa tal prática. Um adolescente caminhava no meio da rua com fones de ouvido, enquanto isso aproximava-se um carro que emitia outro som (a famosa buzina), o tal adolescente não ouviu nada, e quase foi atropelado.

Depois desse acontecimento fiquei analisando com cautela a utilização do fone de ouvido, no ônibus, por exemplo, percebi a falta de comunicação, a atitude reservada de quase todos os passageiros, seria o princípio de um novo ritual global? As pessoas não ouvem mais umas as outras?

O diálogo (característica tão requisitada nos relacionamentos) está em desuso, devemos nos preocupar com a extinção? Enquanto tentava imprimir minha opinião nesse breve artigo, ouvia (por acaso) aquele famoso “som do vento”.

O que me preocupa é a não compreensão e consequentemente desvalorização de sons naturais, e aí chegamos a uma projeção preocupante, alguns dirão a você: Bom dia, olá, ou como tem passado? E você depois de perceber a gesticulação labial expressará: Hã? Você falou comigo? Sinto muito, mas não ouvi nada do que você falou…

2 Comentários


  1. Trabalho com atendimento ao público e algumas pessoas chegam com o fone de ouvido ligado em alto volume e gritam para serem atendidas e nos obrigam a aumentar o tom de voz. Alguns fazem caminhadas ou vão na academia com os fones sempre ligados, impedindo o efeito benéfico da atividade física na organização dos pensamentos. Vejo o problema como uma forma de autismo, as pessoas se fecham em seu próprio mundinho e evitam as dores (e as delícias) de se relacionar com os outros. Acho que agora está mais evidente, mas este tipo de pessoas sempre existiu…

    Responder

  2. Gostei muito da tua reflexão e concordo que este é um dos problemas graves da sociedade moderna (lembrando o hit de Roberto Carlos, ‘Eles está surdos”!), mas também vejo um outro, o oposto deste, mas que segue o mesmo princípio do não escutar quem nos rodeia. É a prática do som em volume altíssimo invadindo os espaços sonoros de todos ao redor. E isso se dá com aqueles carros com sons que nao escutamos música, mas vibrações irritantes. Também tem os dj’s de ônibus, que escutam o celular, SEM FONE, e acham normal compartilhar o que estão ouvindo com TODO MUNDO. E olha, nunca ouvi nenhum carro ou som de celular com música de qualidade (sei que esta é uma discussão cheia de melindres, mas é bem claro o que são belas e trabalhadas melodia e letra). Nunca ouvi um Chico Buarque, Lenine, nada disso. Daí, para muitos acho que o fone é a solução mesmo. Abs!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *