Mãe explica porque matou seu próprio filho

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Mãe e filho assassinado
(Foto: AP)

O caso aconteceu nos Estados Unidos. Uma mãe matou o seu próprio filho, e depois numa tentativa fracassada, tentou cometer suicídio. Ela foi a júri e explica tudo o que aconteceu, nessa história maluca.

A acusada é Gigi Jordan, 51 anos, uma milionária farmacêutica, que era acusada de estar envolvida em um mercado negro de drogas, e matou seu próprio filho, Jude, de apenas 8 anos.

Inicialmente ela era acusada de estar envolvida num escândalo juntamente com o seu primeiro marido, Ray Mirra, num mercado negro de vendas de remédios para a HIV e medicamentos para hemofílicos através de sua empresa, Allion Healthcare. Jordan se casou com Mirra em 1998, depois de serem parceiros em diversas empresas de sucesso, e alega não ter conhecimentos do envolvimento do ex-marido com os traficantes da Filadélfia.

Num julgamento emocionante, ela afirmou que as supostas fraudes de negócios de seu primeiro marido, Ray Mirra, e o alegado abuso sexual de seu filho com necessidades especiais, Jude, por seu pai biológico, seu segundo marido, Emil Tzekov, levou-a ao “golpe de misericórdia” de seu filho e uma tentativa fracassada de tirar sua própria vida em 4 de fevereiro de 2010, em uma suíte no Hotel Península, utilizando uma overdose de drogas.

“A promotoria de Manhattan me chama de assassina de crianças. Mas tentei me matar junto com meu filho para salvá-lo de uma vida de tortura sexual. Levei Jude para os melhores médicos e hospitais disponíveis. Passei a minha vida a amar e cuidar de Jude.”, disse Jordan.

Jordan disse ainda que: “Primeiro, o promotor disse que matei Jude para que pudesse viver como uma socialite. Se quisesse isso, poderia ter pago para colocar-lo em uma instituição integral. Eu não o fiz porque amava Jude. Em seguida, o promotor disse que eu era louca. Eu não era e não sou louca. Fiz o que fiz porque estava marcada para ser morta (existe pena de morte nos EUA) ou presa, e prefiro morrer junto com meu filho do que deixá-lo viver sem mim para protegê-lo de uma vida de horror nas mãos de seu pai monstruoso.”

“Eu mal posso esperar para contar a minha história. Especialmente se há mães no júri. Todas as mães que conheci aqui em Rikers (onde fica o tribunal), que sofrem com seus filhos, chegam a acreditar quando ouvem a minha história.”, exclamou Jordan.

Depois desse relato emocionante, gostaríamos de saber qual a sua opinião sobre o caso. A mãe está certa ou errada? Deixe sua resposta nos comentários.

Fonte: NY Daily News

63 Comentários


    1. Jean Mota Fio! mãe que é mãe dá até a última gota de vida ao filho, se ela filmasse , para ter provas e matasse o maldito ela seria absolvida

      Responder

    2. Concordo com vc adrianavlima.. nada justifica a morte…vivemos no século XXI onde a possibilidade de lutar pela extensão da vida é mais facilitada e mais eficaz… Se algum erro aconteceu no passado com esse pequeno indefeso não é outro erro q ira consertar…Sim sei q o que essa criança sofreu foram muitas atrocidades ,,, mais aii se pergunta,, ela tinha que pagar tão caro? por um erro de seus pais,,AA fala sério!! eu não sou nem a favor da pena de morte pra essa ,,,(coisa) que não nem como defini-la ,,ela tem é permanecer viva por mais de cem anos se definhando e se remoendo de remorso…aiai justificar a morte de um inocente,,essa é boa!!,,mãe que é protege, se mata para proteger, não mata dizendo que tá protegendo!!

      Responder

    3. adrianavlima concordo com vc, mas eu digo com relação ao que ela disse tbm e o que aconteceu e nao o que poderia ter acontecido, nao acho loucura ter livrado seu filho do sofrimento, claro que se ela tivesse matado o pai eu tbm nao acharia ela louca, alias seria muito mais justo claro…

      Responder

  1. De um lado ela teve uma lógica e até está certa mas de outro acredito que não, já que ela iria se matar era melhor ela entrar com uma ação antes pra não deixar o pai ver o filho e contar que ele sofria abusos, porra o menino não ia ser criança pra sempre também, a vida é assim, temos que aprender a viver sem nossos pais um dia, e nos defender sozinhos. Se ela tivesse dado queixa do pai do garoto, com certeza o filho dela poderia ter ficado vivo e ser feliz. Pena que talvez ela não tenha pensado nisso, ou o amor pelo filho era tanto que ela não queria ficar sem ele, mesmo morta, sabendo que ele poderia sofrer algo.

    Responder

    1. Ele tinha necessidades especiais, ia precisar de cuidados dignos de crianças pelo resto da vida, ela poderia ser condenada a morte por envolvimento com o trafico. A criança ficaria com o pai pedófilo ou em uma instituição, caso o pai fosse denunciado. Que final feliz, não?…

      Responder

  2. Todos nós passamos e passaremos por dificuldades…ao nascermos passamos espremido por um buraquinho bem pequeno…posteriormente outras grandes dificuldades virão…Ela é uma assassina, e não tem direito de tirar a vida do filho por causa princípios dela!!

    Responder

  3. Todos nós passamos e passaremos por dificuldades…ao nascermos passamos espremido por um buraquinho bem pequeno…posteriormente outras grandes dificuldades virão…Ela é uma assassina, e não tem direito de tirar a vida do filho por causa princípios dela!!

    Responder

    1. mas ai ela seria presa ou morta e deixaria o filho especial aos cuidados dos outros assim como ela disse. É cruel e estranho dizer isso mas ela está certa

      Responder

  4. Covardia fazer isso com uma pessoa, pincipalmente uma criança que é tão indefesa! Pra mim, o que ela fez não tem explicação. Monstro o pai, monstro a mãe!

    Responder

    1. Princesa, digamos que você tem um filho deficiente que mal pode falar por causa de um atraso cerebral, e a criança sofre constantes abusos sexuais do próprio pai… Você como mãe não poderá mais defendê-lo, pois irá para a prisão em pouco tempo, enquanto isso, a criança ficará sobe a guarda do pai que o abusara sexualmente; pergunto-lhe, qual a melhor coisa a fazer? Eu ficaria muito grato caso a minha mãe me matasse, sinceramente.

      Responder

    2. Sarah Gomes, ela mata o pai da criança, então vai pra cadeia, quem fica com o filho pra criar?? Ele vai para um orfanato??

      Responder

    3. Ela iria presa e o moleque com paralisia cerebral iria ficar como? não tem como levar uma vida digna assim…

      Responder

    4. Tudo bem. mais ador desta criança crescendo sabendo q sua mãe esta presa e seu pai o abusava, a vergonha de ser julgado nas ruas com muitas pessoas te olhando com cara de dó é bem pior.

      Responder

    5. Thais Alves melhor ir pro um orfanato do que ser morta é fácil né falar que a mãe está certa se não foi você o assassinado, ninguém nesse mundo tem o direito de tirar a vida de alguém

      Responder

    6. Bem… Eu realmente preferiria morrer, até porque a paralisia cerebral pode ser degenerativa ou progressiva. =(

      Responder

    7. melhor ir pra um orfanato do que morrer, não acha? Se fosse um filho seu, e vamos supor que o padrasto o abusasse sexualmente e vc estivesse morto, sem ter como defende-lo. Você iria preferir que seu filho fosse assassinado pela sua mulher, ou tivesse uma outra oportunidade de vida no futuro, longe da mãe que está presa, mas tbm livre pra sempre do padrasto? Eu sem dúvidas preferiria que um filho meu tivesse uma chance de poder levar uma vida digna no futuro.

      Responder

    8. Gente, se o menino fosse pro orfanato, passou pela cabeça de vcs que poderia ter sido adotado por bons pais, até mesmo com condições de dar vida digna a uma criança com paralisia cerebral? Há milhares de casos de crianças adotadas e que hoje vivem num lar feliz e saudável, eu mesma conheço 3 casos assim. Tem que ser racional ao extremo num caso assim. Além disso José, seu comentário foi muito preconceituoso. Tendo o amparo de uma família bem estruturada (não somente financeiramente, veja bem), é lógico que ele pode ter uma vida digna! Como não?!

      Responder

    9. Velho, vc prefere o que, viver ou ficar se preocupando com a cara de piedade pra vc na rua? Gente, a falta de valorização que vcs tem pela vida é assustadora. Não se esqueçam que estamos falando de uma CRIANÇA, um futuro, um potencial que deixou de existir. Não é uma formiga, é uma criança!!! No mais Thais, se essa criança tivesse a chance de ser adotada por bons pais, com o apoio, amor e carinho deles ela aprenderia a tirar de letra esse olhar piedoso das pessoas de letra. Desde quando vergonha é motivo pra deixar de viver?

      Responder

    10. VOCÊ José, preferiria deixar de viver. Mas esse menino, não teve a oportunidade de escolha. Ninguém perguntou pra ele se ele queria viver ou não. É ai que tá o Xis da questão.

      Responder

    11. simmm…mais pelo menos não ira mais sofre abusos…se eu fosse mãe dessa criança,,por mais que eu fosse presa ,, mais pouparia ele de ter que conviver com esse mostro
      pois o pai é o monstro e não as pessoas que por conseguinte pudessem a vim a cuidar futuramente da criança…fala sério!!

      Responder

  5. Não sei, posso estar sendo enganado ou iludido ou apenas inocente demais, mais confesso que algo nas palavras dela me deixaram mexido. Não sei o que é, mais as declarações dessa mulher me convenceram ao mesmo tempo que me deixaram perplexo ao mesmo tempo. O que ela fez foi algo terrível, sim terrível, algo imperdoável,pois nimguem tem direito de tirar uma vida, seja humana ou animal, todos nos respiramos, sentimos dor e medo e temos alma. Mais, se isso for verdade, não a julgo por tal ato. Quem somos nós para julgar uma mãe desesperada? E até que ponto uma mãe desesperada pode chegar para proteger sua cria? . Não concordo e nunca concordarei com a atitude tomada por ela, ele era apenas uma criança, mesmo com necessidades especiais teria uma vida pela frente, mas acho que em certas situações, onde somos fadados a sermos impotentes ,fazemos coisas que absurdas. Algo porem nas palavras dela me soaram falsas, mais acho que é uma historia que tem que ser desvendada aos poucos. Ainda a coisas a serem explicadas.

    Responder

  6. Axo q existe outras formas de resolver o problema sem levar a morte! Se fose pra matar que então matasse o fdp do pai da criança…

    Responder

  7. Pessoal vcs não leram o texto direito que burrice de vocês, ela poupou um grande sofrimento ao filho, se ela estava marcada para morrer iria deixa o filho sofrendo, sendo artomentando pelo padastro, o garotinho nunca iria conseguir se defender pois o mesmo era doente. que tristeza nao pensar pelo lado de vista do outro ser humano.

    Responder

    1. digo pensar do ponto de vista dela que é uma mae, e nao quer que seu sofra ou seja artomentado, o garotinho nunca ia ter uma chance de pedir ajuda por suas necessidades especiais.

      Responder

    2. Caso eu sofresse constantes abusos sexuais do meu pai sem poder me defender, tendo paralisia cerebral, eu ficaria muito grato se a minha mãe ceifasse a minha vida para poupar-me do sofrimento que estaria por vir.

      Responder

    3. Mika Bradley por que ela nao comprou uma arma e deu um tiro no fdp do pai?

      Responder

    4. José Carlos Almeida Neto Se ela fosse mãe mesmo com certeza já teria matado o safado na paulada é o que faria para defender minha filha

      Responder

    5. Mika Bradley Então porque não matou o safado e escolheu matar o indefeso do filho?

      Responder

    6. Ela estava marcada para Morrer, nao leram o texto, aqui na alemanha apareceu tudo oque aconteceu mesmo que ela matasse o padastro a guarda do menino seria do Pai que tambem já abusava dele. eram 2 que abusavam dele, e o fato ela ESTAVA MARCADA PARA MORRER e poderia morrer a qualquer momento ela estava sendo perseguida, e já nao saia de casa, de fato ela nao conseguia forja um plano para matar o padastro e nem o pai que ela já tao tinha contato.

      Responder

    7. Ela tinha outras opções. Estava marcada para morrer? Isso não é desculpa. Você não pode julgar se deve deixar uma pessoa viver ou não dessa forma. Ela poderia muito bem ter atentado contra o marido de forma que o mesmo fosse punido pelo que fez. O que ela cometeu foi um ato de atrocidade contra a criança. Ela não a protegeu fazendo o que fez. Infelizmente ela errou grotescamente e acabou com o que tinha.

      Responder

    8. Sarah Gomes eu vi esse caso no exclusive da Rtl 2 bem detalhadamente, uma longa historia foi contada e ai nao tem nem a metade do caso.

      Responder

    9. Mika Bradley Mas é o que a Melissa falou… matasse O PAI do garoto, não o próprio filho! É justamente isso que torna a história dela tão suspeita. Só pensar por um instante.

      Responder

    10. Mika, eu li o texto acredito que todos leram. E quem não o interpretou direito foi vc. No texto não diz que o menino era abusado pelo pai e pelo ex marido da mulher. Mas sim, que o menino era abusado pelo seu pai biológico, que era o segundo marido. O primeiro marido não tem nada a ver com o abuso, ao menos não consta no texto. Antes de falar dos outros, interprete direito você. Além do mais, ainda que isso fosse verdade (que o garoto fosse abusado pelo dois homens), não daria pra matar os dois por quê? Ué, é claro que daria! Assim como ela planejou a morte do próprio filho, era só planejar a morte deles.

      Responder

    11. Todos estamos.
      Todos estão condicionados a morte. A diferença é que ela não tem o direito de decidir pela criança a vida da mesma. Que denunciasse pai e padrasto. Não podia sair de casa? Pelos padrões de vida que ela levava, com toda certeza ela tinha algumas alternativas menos absurdas. Existem DEZENAS de famílias que iriam agradecer ter uma criança dessas em casa. Ela não era uma cheia de dinheiro? Pronto. Já é suficiente pra ter uma saída um pouco diferente.

      Responder

    12. ahh ta de brincadeira né mãe que é mãe jamais mataria seu filho então já que o padrastro ia abusar do menino e ela já estaria condenada que matasse o padastro e não o filho e matar ela também e tem cara de pau de falar que não é louca ficou louca com gente assim e porque ela não se matou o suicidio não foi bem sucessido a faça um favor

      Responder

    13. Bom, só posso opinar com os fato que vejo/leio né. Me baseei no que está escrito aqui. Porém, mesmo que o primeiro marido dela esteja envolvido na história, continuo achando que ela deveria ter matado os dois, e não o filho. Quem é capaz de matar o próprio filho, Mika (ainda que tenha sido com a intenção de "salvá-lo" – o que não sei se acredito), mata QUALQUER pessoa.

      Responder

    14. É exatamente o que eu disse pra Mika, Vanessa. Quem mata o próprio filho, é capaz de matar qualquer um. É a mesma coisa que uma mãe ser ameaçada por um assassino e ele dizer pra ela escolher entre a vida dela e a de um filho. Vcs iriam dizer o que, pra ela escolher a vida do filho pra poupá-lo de traumas no futuro? Aaaah, me poupem!!! É o tipo de pensamento mais absurdo que já vi na minha vida.

      Responder

  8. nao tem lógica vc ceifar a vida do filho, mesmo q este naum possa se defender, para poupa-lo de abuso sexual ainda mais do pai. Como todos dizem, ora lá naum é os EUA pq ela naum procurou a polícia, marcada pra morrer ou naum a justiça sempre se fará presente. Agora quem pagou de louca, assassina e sem escrúpulos foi a mãe, q merece pagar pelo crime. Antes tivesse dado a criança p/ tutela do Estado ao menos tinha se livrado de cometer um crime tão barbaro.

    Responder

    1. Concordo plenamente. Ela alega que quis salvar o filho, mas cadê as provas de que algo acontecia com ele? As pessoas tem a grave mania de acreditar em alguém só porque dá um depoimento emocionante como justificativa. Se Hitler não tivesse se suicidado, e fosse a julgamento no passado e fizesse um show de intepretação com as mais variadas desculpas, vcs também acreditariam? E mesmo que ela não tivesse alguma saída e ainda temesse pelo filho, eu continuo acreditando que se a história era essa mesma, ela que livrasse seu filho do pai MATANDO O PAI, não o próprio filho.

      Responder

    1. Ai ela vai presa … quem vai cuidar do menino com necessidades especias??

      Responder

    2. Isso msm … ele iria parar num orfanato, e crescer como uma criança abandonada, sem família, sem um teto, sem amor algum. Sinceramente eu preferiria a morte do que passar a minha vida sabendo que minha mãe esta na cadeia …. meu pai me abusava, (isso sem contar com todas as pessoas me olhando com cara de dó, e fazendo acusações e dando opiniões na minha vida).

      Responder

    3. Mais é claro, a questão é que retirar a vida desta criança, é aforma que a mãe encontra pra aliviar a gigantesca dor que estava por vir.(é claro que esta é uma forma ridícula e estupida, mais é a unica encontrada, e se cabe-se a mim jugar esta mãe eu não a defenderia mais tbm não a crucificaria como tantos)

      Responder

    4. Thais Alves e você acha justificável ela matar a criança porq o pai era o cara que abusava ? na boa, eu preferiria matar o pai, do que matar o filho, tá que iria ser complicado achar alguém que cuide, mas certamente ele iria para alguma casa de cuidados para crianças com necessidades especiais. tipo um orfanato, slá.

      Responder

    5. Júlia Soares, Isso msm … A criança vai parar em um orfanato, e crescer sem uma casa sem uma família, sem amor algum. Eu não acho justo retirar a vida de uma criança inocente, mais vc não acha q ela criança sofreria muito mais crescendo sabendo que sua mãe esta presa por "trafico" de medicamentos ( que certamente retiraram a vida de tantas pessoas) , saber que seu próprio pai te abusava , e crescer vendo as pessoas te olhando com cara de dó, e dando tanta opinião na sua vida

      Responder

    6. na boa, acho melhor uma criança crescer em um orfanato, mesmo com todos os problemas, do que crescer sendo abusada.

      Responder

    7. Júlia Soares Fora que o menino poderia muito bem ser adotado. É justamente ESSA a intenção da existência dos orfanatos, Thais. Achar um lar pra uma criança. E ainda que ele não fosse adotado, como disse a Julia, ainda assim é muito melhor viver com todos esses problemas a deixar de viver. Não se justifica um erro com o outro. E a vida, não tem preço.

      Responder

    8. Agora muito lindo e maravilhoso se acreditar que uma criança ia ser infeliz vivendo em um orfanato,,, é então Thais Alves ela está mais feliz agora morta e debaixo da terra,,, que filosofia linda essa!! prefiro está morto do que lutar pela vida!! sabe é seguindo essa filosofia de fracassado que ninguém quer lutar por nada hj em dia! eu preferia está presa mais saber que meu filho está vivo e sem mais seu abusador por perto para faze-lo sofrer,,, e ter a esperança de um dia poder sair da prisão e poder abraça-lo e poder pedir perdão pessoalmente por algo que tentei consertar,,

      Responder

  9. Assassina do mesmo jeito.
    Ela não é milionária? entao… podia ir morar com o menino em qq outro lugar do mundo longe do pai abusador.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.