Destroços, vindos do Oceano Pacífico, a caminho das Américas

Tempo de leitura: 1 minuto

Doca Japão

Após terremoto e tsunami ocorrido em 11 de março de 2011, no norte do Japão, que provocaram mais de 20.000 mortes, 10.259 desaparecidos e 2.409 feridos, os destroços da tragédia estão a caminho das Américas.

Uma doca de 20 metros de extensão e pesando 165 toneladas, rompida pelo tsunami do ano passado no Japão, foi encontrada no estado americano de Oregon.

A doca atravessou uma distância de 8.050 km, do Oceano Pacífico até ser avistada na praia de Agate, ao sudoeste da cidade de Portland.

A doca continha uma placa comemorativa que mostrou que ela vinha do porto pesqueiro de Misawa.

Testes de radiação se mostraram negativos, mas cientistas afirmam que espécies estranhas à região podem ter pegado ”carona” junto com a doca, inclusive uma estrela-do-mar natural do Japão estava entre as espécies marinhas que ainda se agarravam à estrutura.

Misawa – Japão, perdeu quatro docas no terremoto seguido de tsunami. Duas das docas permanecem desaparecidas.

Pesquisadores da Universidade do Havaí, que estudam o avanço no Pacífico de destroços resultantes do tsunami, afirmam que uma enorme quantidade de escombros está flutuando no oceano em direção à ilha americana.

“Estimamos que algo entre 5 e 20 milhões de toneladas de destroços estão vindo do Japão”.

Tripulantes do barco de treinamento russo STS Pallada localizaram recentemente os destroços a cerca de 3,5 mil km da costa do Japão, perto das ilhas Midway. Eles viram pedaços de mobília, alguns eletrodomésticos, barco de pesca, tudo que é capaz de boiar. Na lateral do barco, a inscrição “Fukushima” possibilitou a primeira confirmação de que se tratavam de fato de escombros vindos do Japão.

O tsunami provocou ainda uma crise nuclear no país. Após o terremoto e o tsunami, a região de Fukushima sofreu com o vazamento de material radioativo.

Texto por Marcos Wagner.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.