Despedida das sacolas plásticas

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Sacola proibida

Agora é oficial, está proibida a distribuição de sacolas plásticas pelos supermercados de São Paulo. Agora os consumidores terão que levar a sacola retornável ou então terão que pagar R$ 0,59 por sacolinha no supermercado.

A proibição era para ter acontecido em fevereiro, mas foi prorrogado para a quarta-feira (4) para que os consumidores tivessem mais tempo para se adaptar.

Com a medida o meio ambiente estará livre de 500 mil toneladas de sacolas plásticas descartadas todos os anos. Com isso os proprietários do ramo do varejo vão economizar R$ 500 milhões.

Por isso é hora de dizer adeus a sacolinha, já que as sacolas oxibiodegradáveis não serviram como solução. E para isso trazemos uma charge de despedida a sacolinha. A charge é de Maurício Ricardo, que também faz charges para o BBB, afinal ninguém é perfeito.

A charge é usada com uma paródia da música O Caderno, do artista Toquinho. Ela retrata bem toda a ingratidão que temos com a sacolinha que sempre nós ajudou em diversos momentos.

Agora só nos resta dizer adeus à sacola plástica. Mas ainda continuarei te usando, já que não moro no estado de São Paulo, mas certamente daqui a algum tempo essa proibição também chegará ao meu estado.

Adeus sacolinha!

8 Comentários


  1. Que beleza! Acabaram as sacolinhas, agora você tem que gastar dinheiro para continuar poluindo usando sacos plásticos pra colocar o lixo, otário1

    Responder

  2. Aqui em BH já faz 1 ano que proibiram as sacolinhas. Saiu no jornal o resultado: todomundo perdeu! Só os supermercados é que ficaram no lucro. Isto porque os consumidores estão tendo que se virar até hoje por causa das sacolinhas, nem sempre estamos com uma sacola pra uma compra de ultima hora. O meio ambiente perdeu também, pois o que são as sacolinhas já que as embalagens de vários produtos estão embaladas em plasticos, a proibição não resolve nem 10% do problema. Além disto já viram que as sacolas Biodegradaveis demoram também bastante tempo para decompor. Os unicos que sairam no lucro foram os supermercados que não gastam mais com as sacolas e agora cobram pelas biodegradáveis!

    Responder

  3. Então, agora só falta eles acabarem com as embalagens plásticas de milhões de produtos que também agridem o meio ambiente…é no do povo é refresco!!!

    Responder

  4. O povo que se comporta como bois no abatedouro aceitou mais essa presepada do governo de SP, uma tremenda farsa para beneficiar exclusivamente os supermercados, mais nada!
    Hoje você é obrigado a comprar sacos para embrulhar o seu lixo, meu vizinho que não tem grana está jogando o lixo no seu quintal, e aí o que tá acontecendo é que estão aparecendo muitas moscas grandes, do tipo que antes eu raramente via.
    Tudo o que o nosso governo de SP faz é pra beneficiar as empresas ligadas ao seu partido, e o povo paulista (o mais otário) do país aceita como bois que são!

    Responder

  5. Se é pra proibir então proíbe e não fica vendendo sacolas. Isto tudo não passa de acordo com os supermercados. Estes grandes supermercados de fora (carrefour, Walmart, etc…) não estão acostumados a dar sacolinhas no seu país de origem e aqui não seria diferente.

    Responder

  6. E continuam a chamar o povo de imbecil e o povo aceita. Se as sacolinhas são tão prejudiciais assim, pq não proibem as fabricas de plástico e todos os outros produtos que utilizem plástico. Isso mais me parece uma manobra dos proprietários de mercadoe e afins para economizar e jogar o abacaxi para o consumidor. Não estou aqui levantando bandeira em prol das sacolinhas, mas fazer o povo levar a sua própria sacola ou fazê-lo PAGAR pela sacolinha é um absurdo, o estabelecimento teria que arcar com essa proibição e não o consumidor; mas isto aqui oh oh, é um pouquinho de Brasil iá iá…

    Responder

  7. Mais uma vez os empresários colocam no c* dos consumidores e os idiotas aplaudem, agora terei que comprar uma igual quantidade de sacos plásticos pra colocar lixo aqui em casa. Resolveu NADA pra natureza…

    Responder

  8. Só para lembrar: Não há proibição, mas um acordo de cavalheiros entre uma associação de supermercados (de SP) e MP. Ou seja, um acordo, já que a lei que tentaram enfiar “goela abaixo” não vingou por ser nitidamente inconstitucional.
    O acordo é mais ou menos assim: Em nome do meio ambiente, nós tiramos um custo nosso e dizemos o que é melhor para o mundo, e para o cliente… Como somos bonzinhos… E os clientes que se danem…
    Estou preocupado, pois em breve vão querer cortar os sacos das frutas, da carne…
    Mais uma turma do bem para se execrar, os ecochatos e os donos de mercados!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *