Bancária explica melhor a greve

Tempo de leitura: 2 minutos

Bancários

Logo após o artigo escrito pelo Luciano Junior, uma bancária entrou em contato comigo, que leu e discorda das comparações feitas. E queria expor suas opiniões e explicar melhor para os leitores os verdadeiros motivos da greve.

Sou bancária há 26 anos, onde fiz por merecer, pois tive que estudar, passar em um concurso público, e mesmo depois de aprovada, em todos esses anos passei por diversos desafios para conquistar cada vez mais, aprimorar meu conhecimento, dispensando dedicação, empenho, aperfeiçoamento para o engrandecimento da minha empresa, onde a valorização do profissional ficou esquecida com o passar dos tempos, onde cada vez ganhamos menos e fazemos mais.

Nossa greve é apenas a busca do perdido, pois há anos atrás éramos bem melhor remunerados, já que nosso trabalho não é apenas sentar a frente de um computador e sim um trabalho muito desgastante, exigente e de muita responsabilidade, onde errou pagou. Você lida com diversos tipos de pessoas, com diversas personalidades e pontos de vistas que muitas vezes te agridem e ao mesmo tempo você é pressionado a vender para essas pessoas para o cumprimento das muitas metas que lhe são impostas.

A nossa greve busca tanto melhorias no salário como também na valorização humana onde temos diversos pontos sendo discutidos nessa campanha dentre eles o plano de carreira que na minha instituição está esquecido. Não poderiam ser comparadas essas classes tão diferentes como são os garis, carteiros e bancários. Onde cada um provou sua capacidade para tal e com todo o respeito aos garis com certeza a contratação foi bem diferente comparada a um concurso público para um bancário. Da mesma forma você poderia comparar um bancário a um deputado que vai de vez em quando para dar um voto e aumentam seus próprios salários da forma que bem entendem com índices exorbitantes, nem comparados ao humilde índice 12.8% dos bancários.

A culpa não está nos bancários nem nos carteiros e nem tanto nos garis, e sim no país, onde pergunto, QUE PAÍS É ESSE? … QUE PT É ESSE? … que dá bolsa família e não da aumento para quem trabalha. (Texto enviado por uma bancária que não quis se identificar.)

Nós do Minuto do Saber agradecemos a participação dela para explicar melhor essa situação que nosso país vive.

Agora é sua vez, comente o que achou dos motivos explicados pela bancária.

6 Comentários


  1. Cristiane

    Tenho que discordar de você, acho que todo mundo merece ganhar o justo, e o salário do bancário é relativamente baixo pelas responsabilidades deles, e chega de se contentar com pouco enquanto os políticos fazem a festa com o dinheiro que deveria ser do trabalhador.

    Responder

  2. Ta tudo errado o que os bancários querem é uma questão interna dos seus bancos. Ninguém é obrigado a ficar no seu trabalho, nenhum cliente é obrigado a lidar com uma situação dessas. O problema é dos bancários com os seus empregadores o povo não tem que pagar. Quero ver se 1/3 desse povo em greve faz protestos contra os absurdos que o governo pratica. DUVIDO…

    Responder

  3. sindicalista é mafioso, além disso é mal educado pq enche o vidro do banco de cola e papel e depois deixa para a ralé da faxina tirar a porquice. Se não quer o trabalho se demita pq tem muitos que querem, mude de área, vire faxineiro.

    Responder

  4. Se quer se comparar com um dePUTAdo, que se candidate e tente virar um….

    Responder

  5. bando de vagabundos esses funcionários públicos (salvo poucas exceções). Porque prejudicar a população (que em última análise é quem paga o seu salário) e que para o governo não prejudica em nada.
    Em relação aos banqueiros, também não prejudica, pois se a conta não é paga em dia, os JUROS mais caros do mundo remunera duplamente (ao bancos e os credores).

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.