Bullying: você vai deixar isso acontecer?

Tempo de leitura: 3 minutos

Depois do caso Casey Heynes, reacendeu a discussão sobre o que devemos fazer sobre o bullying.

Bullying na escola

 

Segundo definição do Brasil Escola: Bullying é um termo da língua inglesa (bully = “valentão”) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angústia, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa sem ter a possibilidade ou capacidade de se defender, sendo realizadas dentro de uma relação desigual de forças ou poder.

 

O caso ocorrido acima reacendeu a discussão sobre o bullying, inclusive esse é um dos motivos desse post. Ele é um dos problemas que mais crescem no mundo. Muito disso é devido a que nem as vítimas, nem as testemunhas denunciam o que está acontecendo. Tanto a vítima quanto a testemunha não denunciam o acontecido porque tem medo de serem agredidos. Cabe então a escola, ou o local onde está acontecendo o bullying, prestar atenção no que está acontecendo e tomar as devidas providências.

O bullying não é só a agressão, como acontece no vídeo, àqueles apelidos depreciativos também fazem parte dele. É necessário que a escola tome uma atitude, mas muitas escolas se negam a admitir o problema, algumas consideram que o bullying é apenas uma brincadeira entre colegas. Veja agora a história contada por Casey Heynes, à vítima do vídeo.

 

Como podemos ver no vídeo o bullying pode acabar deixando a vítima com sérios problemas psicológicos (como baixa auto-estima, ou ainda tentar o suicídio, e ainda físicos, caso ele seja muito agredido). Como podemos ver os agressores escolhes as suas “presas” por acharem que ela será um alvo fácil e que ninguém vai ajudá-lo a se defender.

Bullying no trabalho

 

Outra coisa que pode ser percebida é que a escola não tentou fazer nada para resolver o problema, apenas suspendeu os alunos. O jovem Casey está se tornando um heroi para milhões de outras pessoas que sofrem o mesmo problema que ele. E também para as pessoas que não aceitam as injustiças. Agora veja o outro lado da historia, o lado do agressor.

 

Normalmente os agressores têm pouca empatia, alguns pertencem a famílias desestruturadas, em que o relacionamento com seus familiares é muito ruim, ou em alguns casos nem existe. Richard (o agressor) tenta se defender dizendo que quem começou com as provocações foi Casey (a vítima), não cabe a mim responder isso. Mas será que se Richard tivesse sido agredido primeiro a cena seria a mesma, com Richard com o apoio dos colegas e Casey tentando se defender? Pense nisso.

Apenas pare com o bullying!

 

O bullying é um problema atual, mas que precisa ser resolvido urgentemente antes que o problema tome proporções ainda maiores. Um coisa que aprendi com o filme Bullying, ao qual inclusive recomendo, apesar do filme ser um pouco pesado, é que o agressor procura vítimas fáceis, pessoas que nunca vão reagir, e se você demonstrar que não tem medo e que é auto-confiante eles nunca vão mexer com você.

Textos que ajudaram a construir o post: Brasil Escola, Revista Escola, Filme Bullying.

8 Comentários


  1. Eu trabalho em uma escola e conheço essa parte da escola negligenciar o que está acontecendo, eu tento fazer a minha parte, mas nem sempre é possível. Por causa disso já tive que sair de duas escolas pois estava sendo ameaçado.

    Responder

  2. Gabriel Simões,
    É de pessoas como você que esse mundo precisa, pessoas que denunciam as coisas mesmo sabendo que podem ser ameaçadas. Parabéns!

    Responder

  3. Vivo no Japão há 15 anos. Meu filho viveu comigo dos 3 aos 15, hj ele tem 17 anos. Dos 6 aos 9 ele frequentou escola Japonesa. Sofreu bullying até o dia que eu descobri e o retirei da escola! Ele terminou o ensino fundamental numa escola brasileira aqui no Japão. Não sei se sabem, mas o Japão é o País numero 1 no mundo em suicídio infantil. E o que levam crianças (muitas vezes de 6, 7 anos) a cometar tal ato é exatamente o bullying. Muitas delas não suportam. Pq aqui não termina na escola. Continua, muitas vezes, a vida toda… É triste uma sociedade aceitar este tipo de comportamento. Eu espero que o Brasil lute muito pra erradicar este tipo de atitude covarde. Devemos formar seres humanos dignos, não um bando de imbecis…

    Responder

  4. Bullyng não é grande coisa em minha opinião, exceto em casos extremos.. como o citado “suicídio” aí, se é que é verdade.
    O que não te mata, te fortalece, penso assim.

    Responder

  5. Ronaldo,
    O bullying nunca é uma pequena coisa, ele pode começar pequeno, mas à medida que não são tomadas providências, o problema fica maior. Respeito a sua opinião, mas o que não te mata às vezes pode te deixar tetraplégico.

    Responder

  6. pra min issso e uma covardia;porque essas pessoas q agride nao pode ir presa[o]

    Responder

  7. Pode sim, ser denunciado por agressão física, mas o problema é que ninguém denuncia. E na maioria das vezes são menores, e você deve saber como é a lei.

    Responder

  8. eu trabalho em uma escola que nao procura tomar nenhma iniciativa para tentar solucionar este problema, e eu como professora estou tomando as devidas providencias para que uma aluna nao sofra mais com este problema, porém, a persequiçao se tormou tao grande que tive que abandonar a escola.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.